Política

DEPOIMENTO - DITADURA

Tatiana Merlino: "O homem que Bolsonaro chama de ’herói nacional’ torturou e matou meu tio”

Veja depoimento de Tatiana Merlino dado ao Blog do Sakamoto sobre a prisão de tortura de seu tio, Luiz Eduardo Merlino, durante a ditadura militar.

quinta-feira 8 de agosto| Edição do dia

Foto: Ailton de Freitas

Texto publicado originalmente no Blog do Sakamoto

Por Tatiana Merlino

Toda vez que o presidente da República chama o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra de "herói" e defende seus atos de violência na ditadura militar é como se os torturados, sequestrados, mortos e desaparecidos no período fossem novamente colocados no pau-de-arara, na cadeira do dragão, fossem xingados, humilhados, espancados. Mas não apenas eles. Toda vez que Jair Bolsonaro faz isso, ofende, ataca, desrespeita a todos nós, que somos familiares de mortos e desaparecidos, e lutamos há décadas por memória, verdade e justiça.

Brilhante Ustra, o homem que Bolsonaro tem como ídolo a ponto de dizer que seu livro repousa na cabeceira de sua cama, torturou e assassinou meu tio durante a ditadura.

Nesta quinta (8), o presidente convidou para almoço, no Palácio do Planalto, Maria Joseíta Ustra, viúva de Ustra, que morreu em 2015. Questionado sobre o encontro, disse que ela "tem histórias maravilhosas para contar" e novamente chamou Ustra de "herói nacional".

Não bastasse a enorme repercussão negativa por conta das declarações recentes sobre o desaparecimento e morte do militante político Fernando Santa Cruz e da forma como se dirigiu a seu filho, o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, dizendo que podia lhe contar o paradeiro do corpo do pai, Bolsonaro segue homenageando uma pessoa que comprovadamente praticou crimes contra a humanidade.

Meu tio, Luiz Eduardo Merlino, jornalista e militante do Partido Operário Comunista (POC), foi assassinado sob tortura, em julho de 1971, aos 23 anos, em uma sessão comandada por Brilhante Ustra. Preso na casa de minha avó, em Santos, Luiz Eduardo foi levado ao DOI-Codi e torturado no pau-de-arara por 24 horas até que uma de suas pernas gangrenou. Então, foi deixado em uma cela forte, sem poder andar e comer. Depois, jogaram ele em um camburão e levaram-no ao hospital militar.

Outro preso político que estava sendo torturado por Ustra ouviu sua conversa ao telefone. Decidiam se amputavam ou não a perna gangrenada, para que a vida de meu tio fosse salva. Para amputar, teriam que avisar a família. "Deixa morrer", sentenciou o coronel.

Ustra foi chefe do Destacamento de Operações Internas (DOI-Codi), principal órgão de repressão da ditadura, entre 1970 e 1974. Participou do sequestro e assassinato de pelo menos 47 pessoas, de acordo com relatório da Comissão Nacional da Verdade. Em 2008, tornou-se o primeiro agente da ditadura condenado pela Justiça brasileira pelo crime de tortura, em ação movida pela família Teles.

As homenagens de Bolsonaro ao torturador são frequentes. Durante a votação do impeachment da então presidente Dilma Rousseff, em 2016, ele dedicou sem voto "à memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff". Em período eleitoral, também declarou que Ustra "prestou um grande serviço ao país, ninguém pode negar".

Como o presidente de uma República pode seguir repetidas vezes louvar um criminoso que reconhecidamente matou e torturou? Vamos ter que encarar e responder essa pergunta se não quisermos ser cúmplices de uma escalada autoritária que pode levar ao assassinato da democracia.

Veja também: VÍDEO: Angela Mendes de Almeida fala sobre o assassinato de Luiz Eduardo Merlino




Tópicos relacionados

Tortura na Ditadura Militar   /    Brilhante Ustra   /    Jair Bolsonaro   /    Ditadura militar   /    Política

Comentários

Comentar