Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Tabata Amaral ganha espaço na grande mídia dos poderosos defendendo Reforma da Previdência

Agradando bancos e grandes empresários que querem roubar o direito de aposentadoria da população, Tabata Amaral (PDT-SP) vem ganhando palco na grande mídia, que propagandeia a figura jovem e “progressista” em defesa de um imenso ataque contra o povo trabalhador, ajudando o governo Bolsonaro em seu principal projeto.

terça-feira 7 de maio| Edição do dia

Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Mais uma vez a deputada federal Tabata Amaral, do PDT de Ciro Gomes, sai em defesa da reforma da previdência. Ela afirmou ao Estadão que sente “uma tristeza muito grande” ao ver deputados se posicionarem contra a reforma. Nada de “tristeza” sobre os milhões de trabalhadores que serão violentamente afetados pelo aumento da idade mínima caso a reforma seja aprovada.

A deputada que vem ganhando holofotes da grande mídia diz não apoiar todos os pontos da reforma de Bolsonaro, mas vem fazendo uma grande campanha para fazer com que os trabalhadores trabalhem por mais tempo a fim de enriquecer os grandes bancos. Critica a mudança no BPC, na aposentadoria rural, as mudanças nas regras de aposentadoria de professores, mas se silencia sobre a idade mínima que Bolsonaro quer elevar para 65 anos para mulheres e 60 para homens.

O discurso de Tabata é muito semelhante ao dos banqueiros, da extrema direita e da grande mídia: “o fim dos privilégios”. Com uma retórica populista, essa campanha “contra os privilégios” visa, na verdade, ampliar a idade mínima e criar novas regras para dificultar a aposentadoria do trabalhador brasileiro. Trata-se de uma política criminosa de tentar “melhorar” a reforma da previdência, como denunciamos nessa matéria. O objetivo final é nos fazer trabalhar mais, ganhar menos e enriquecer consideravelmente os grandes bancos. Paulo Guedes e Bolsonaro não estão no governo com outro intuito. Com o discurso de Tabata Amaral, empresários, grande mídia e bancos se satisfazem.

É necessário denunciar a política de Tabata Amaral, uma vez que ganha espaço na mídia com um verniz supostamente “progressista”, gerando ilusões. Algo semelhante ocorre com setores do próprio PT que, por cima, nas falas de Lula, de Gleisi Hoffmann e de outros parlamentares, se colocam contra a reforma. Mas figuras não menos importantes, como Rui Costa (governador da Bahia pelo PT) e Camilo Santana (governador do Ceará pelo PT) defendem algo semelhante a Tabata, “melhorar” a reforma de Bolsonaro, como podemos ver aqui. Ou seja, um discurso duplo que serve para manter suas bases do seu lado apenas para desgastar Bolsonaro criticando a reforma, mas ao mesmo tempo negociar com o governo uma reforma mais “light”.

É necessário que os trabalhadores se ergam contra qualquer reforma da previdência, seja a de Paulo Guedes e Bolsonaro, seja a de Temer, Tabata Amaral ou dos governadores petistas. As centrais sindicais estão organizando um dia de greve geral no 14/06. Alguns setores da burocracia sindical já tornaram públicas suas traições, como é o caso de Paulinho da Força, que em pleno 1º de maio em São Paulo defendeu a reforma da previdência.

É preciso confiar apenas em nossas forças, fazer pressão desde as bases de trabalhadores para impor às centrais sindicais uma greve geral forte nesse dia 14/06, a começar lutando para que a paralisação do dia 15 de Maio seja de todas as categorias e não somente da educação. Os sindicatos e centrais precisam organizar um verdadeiro plano de lutas para que esse dia seja um forte dia de mobilização, rumo a um dia de forte greve geral em 14 de Junho. Nós do Esquerda Diário acreditamos que esse é o caminho para derrotar Bolsonaro, e não o da conciliação e dos “consensos” de Tabata Amaral.




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    PDT   /    Ciro Gomes   /    Reforma da Previdência   /    Política

Comentários

Comentar