Internacional

EUROPA

Syriza, a esquerda que privatiza metade da Grécia

Continua a passos de gigante a política de liquidação territorial e dos serviços públicos para setores privados por parte do governo Syriza. Depois das declarações sobre os chineses, que “estão investindo muitíssimo na Grécia”, o governo heleno continua desmantelando as empresas públicas.

quarta-feira 13 de dezembro de 2017| Edição do dia

O primeiro ministro grego, Alexis Tsipras, e o presidente francês, Emmanuel Macron, em Paris durante a Cúpula do Clima, em 12/12/2017. EFE/ Ian Langsdon

Recentemente na Grécia, o governo de Alexis Tsipras, aclamado há tempos atrás por alguns, como o líder da nova esquerda, vendeu ao capital privado 17% da Public Power Corp (PPC - DEH em grego), sociedade energética do setor público e fortaleza do sindicalismo combativo.

Além disso, o governo Syriza-Anel colocou no mercado 65% da Depa, sociedade estratégica para a distribuição de gás, sobretudo com a perspectiva de construção de novos gasodutos que passarão pelo território heleno. Contextualmente, vendeu 35% da Hellenic Petroleum, a sociedade pública que refina. Substancialmente, estão sendo privatizados os setores estratégicos da economia do país. Exatamente o contrário de uma política que se esperaria de um partido que se diz de esquerda e aliado dos trabalhadores.

As novas privatizações abrem o caminho para um acordo na próxima reunião com o Eurogrupo, prevista para 22 de janeiro, que teria que sucessivamente conceder 5,5 bilhões de euros das ajudas à Grécia. Um plano de ajudas que acabará em agosto de 2018, com a volta de Atenas ao mercado de capitais.

O anúncio destas novas privatizações baixou os bônus do Estado heleno para o menor em 8 anos, por estar abaixo de 4,8%.

Um bonito banquete para os capitalistas helenos e da zona do Euro, que graças ao governo de esquerda do Syriza poderão acumular enormes lucros.

Se Syriza é o exemplo para a esquerda italiana e para os novos sujeitos que estão nascendo, sobretudo na nova fase eleitoral, há poucos motivos para os trabalhadores e a juventude estarem felizes.

Tradução: Luciana Vizzotto




Tópicos relacionados

Syriza na Grécia   /    Internacional

Comentários

Comentar