FEMINICÍDIO

Stefhani Brito, mais uma vítima de feminicídio no Brasil

O ano de 2018, infelizmente, não começou diferente do ano anterior. Desta vez o caso ocorreu na cidade de Fortaleza, no bairro do Mondubim. Stefhani Brito, de 22 anos, foi assassinada pelo ex-companheiro após aceitar ter uma conversa sobre o ex-relacionamento.

quarta-feira 3 de janeiro| Edição do dia

De acordo com o jornal O Povo, de Fortaleza, o assassino transitou com o corpo da jovem pela cidade na garupa de sua moto, realizou parada numa farmácia, borracharia e, mesmo exposto a olhares de moradores locais, chegou a bater com a cabeça de Stefhani, que já estava sem vida e com diversos hematomas, no tanque da moto.

Familiares relataram também ao mesmo jornal que ela parecia ser torturada, apresentava diversas marcas de agressão e que apesar dos diversos pedidos para que não fosse ao encontro do ex a jovem alegava que “ia pois precisava salvar a família”.

Infelizmente Stefhani é só mais um caso dentre os milhares que colocam o Brasil com a quinta maior taxa de feminicídio no mundo de acordo com dados da OMS.

Não importa a mudança de ano no calendário para a realidade das mulheres em nosso país, seguem sendo elas a quem o sistema capitalista não reserva nada além de nenhum direito sobre o seu próprio corpo ou uma vida em função de outros, da família, do marido, dos filhos, da casa. O machismo e o patriarcado impõem que estas não tenham direito de escolher com quem se relacionam ou quando terminam estes relacionamentos. É preciso que lutemos por um plano de emergência para combater a violência contra a mulher criando bases concretas para que casos como esse não sejam uma realidade cotidiana no nosso país.

LEIA TAMBÉM É urgente um Plano Nacional de Emergência contra a violência às mulheres




Tópicos relacionados

Feminicídio   /    Feminismo

Comentários

Comentar