Política

CRISE NO RIO

Sob brutal repressão, ALERJ aprova aumento de contribuição dos servidores

quarta-feira 24 de maio| Edição do dia


Manifestação de servidores na ALERJ, muito antes da polícia reprimir.

Sob o ataque de bombas e balas de borracha da polícia contra os servidores que compareceram na ALERJ para protestar contra mais um ataque, os deputados aprovaram hoje o aumento da contribuição previdenciária de 11% para 14%.


Esse é o tratamento de Pezão para os servidores e aposentados do estado.

Como denunciamos, um forte aparato repressivo já estava montado por estes deputados, a maioria deles delatados como recebedores de propina da JBS, estava tudo preparado para impedir a manifestação dos servidores.

A tropa de choque começou a perseguição pelas ruelas do centro com suas motos e balas de borracha, e neste momento às 17h, a polícia utiliza o Caveirão para lanças jato d’água nos servidores que estão sem receber. A cavalaria também está sendo utilizada contra os servidores e aposentados que o estado do Rio não paga em dia.

Planejavam votar às escondidas, e quando os servidores descobriram a manobra, lotaram a região com motos, caveirão e tropa de choque. Pezão, que teve sua campanha financiada por Joesley Batista, está retribuindo tentando passar a crise para as costas dos trabalhadores.

No momento registrado acima, às 17:15, uma jovem menor de idade foi levada por policiais para o lado de dentro da grade, enquanto estudantes e servidores reclamavam a liberdade dela, e foram reprimidos por bombas logo em seguida

É urgente que sindicatos, parlamentares do PSOL e organizações estudantis apoiem, e mais que isso, nos mobilizemos pela base para derrotar os ataques de Pezão, assim como de Temer que quer fazer o Rio de janeiro pagar com seu plano de recuperação fiscal, além de todas reformas contra os trabalhadores. Greve geral já, para derrubar as reformas e impor uma constituinte que revogue todos os ataques!

Leia mais: Para Joesley a justiça deu imunidade, já para servidores do Rio deram Tropa de Choque




Tópicos relacionados

Política

Comentários

Comentar