Mundo Operário

METROVIÁRIOS SP

Sindicato dos Metroviários de SP ganha representação de funcionários da Linha 4 Amarela

Importante decisão judicial impõe que Sind. dos Metroviários representem trabalhadores de linha de metrô privatizada. CCR e Sindcrep estão sujeitps a multa caso não cumpram acordo.

terça-feira 26 de junho| Edição do dia

Uma importante vitória jurídica dos metroviários de SP ocorreu no dia de ontem, segunda-feira, 26. No dia 4 de abril o Tribunal Superior do Trabalho (TST) já havia decidido como favorável ao Sindicato dos Metroviários de SP (que representava até então todos os funcionários das linhas metroviárias estatais – Linhas 1, 2, 3 e 5, esta última privatizada no último mês) como representante legítimo dos funcionários da Linha 4-Amarela, privatizada e gerida pela ViaQuarto (pertencente a CCR).

Nesta segunda-feira, 26, a justiça anunciou que a CCR está terminantemente proibida de negociar com qualquer outro sindicato que não o Sindicato dos Metroviários, sendo os mesmos passíveis de multa, a pagar para o Sindicato dos Metroviários.

Os funcionários da Linha 4 eram desde 2011 representados pelo Sindcrep (sindicato dos empregados de concessionárias) e o Sindicato dos Metroviários entrou com uma ação na Justiça do Trabalho para poder representa-los por entender que pertencem a mesma categoria de trabalhadores, sabendo da importância de unificar as lutas dos metroviários das empresas públicas e privadas e a força de sua unidade, ganhando este os processos na primeira e segunda instâncias da justiça.

Segundo artigo na Folha de SP, o maior piso salarial da ViaQuatro (que contém 1.100 funcionários) era de R$1.713, enquanto que o menor piso dos metroviários é de R$2.187 (possuindo mais de 9.000 funcionários)*.

Uma conquista muito importante na luta contra a privatização dos transportes de SP, que diferente de ter negociações de acordos entre empregados e patronal por sindicatos diferentes, dividindo a luta da categoria, com direitos e salários distintos e inferiores para os metroviários das empresas privadas, agora podem traçar juntos planos de lutas para melhorias do serviços prestados à população, melhores condições de trabalho. Avanço este que fortalece de conjunto a categoria impondo a unidade política e sindical dos metroviários de SP, iniciando uma nova fase da luta contra a privatização do Metrô podendo, a partir desta decisão, redobrar os esforços para impedir o leilão da Linha 15 (previsto para o dia 30 de julho) e fazer o governo de SP com Marcio França retroceder nos planos privatistas que implementou nos últimos 4 anos de governo ao lado do tucano Geraldo Alckmin.

* https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/04/funcionarios-da-linha-4-amarela-vao-para-sindicato-dos-metroviarios.shtml
foto Roney Domigos/ G1




Tópicos relacionados

Privatização   /    Transporte   /    Metrô   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar