Política

Senadores da base anunciam que "cenário mudou" para a aprovação das reformas reacionárias

quinta-feira 18 de maio| Edição do dia

Senadores da base golpista de Temer admitem reservadamente que o "clima" para a votação das reformas mudou subitamente e falam até em reversão do cenário desenhado para o julgamento da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Para um aliado com destaque no Senado, a cassação da chapa tornou-se uma “saída honrosa” para o presidente.

Apostava-se em vitória de Temer no TSE, que retomará o julgamento no dia 6 de junho, facilitando o trabalho das reformas reacionárias do governo, como a trabalhista e a previdenciária. Mas “o cenário virou”, aponta um cacique da base de Temer no Senado. Na Câmara, a base aliada também manifestou clima de velório, adotando a posição de que a situação se tornou insustentável para Temer.

Um ministro do TSE, segundo o Valor, também opinou que a cassação da chapa pode ser uma “saída honrosa” para Temer.

A burguesia ensaiará saídas para manter de pé o regime político que protege o sistema capitalista. Está articulando a possibilidade de eleições indiretas (no caso de ser cassada a chapa Dilma-Temer), ou a intervenção do STF para alterar regimentos constitucionais e facilitar uma saída que recomponha o regime político corrupto e levar adiante os ataques com outro agente, caso Temer seja descartado.

A podridão dos jogos de poder capitalistas colocam mais que nunca a necessidade de alterar todas as regras do jogo, e não só os jogadores: é necessário defender o não pagamento da dívida pública, destinando todo o dinheiro pra saúde, moradia e educação, serviços que devem ser estatizados e estar sob controle dos trabalhadores e usuários. E proibir as demissões de imediato, anulando as medidas do governo Temer de ataques a nosso emprego, aposentadoria e salário. Estas poderiam ser algumas medidas levadas adiante por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana imposta pela mobilização.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Michel Temer   /    Política

Comentários

Comentar