#errosnoenem

Sem se importar com estudantes prejudicados pelo MEC, Weintraub mantém datas do SISU

Após erros na correção do ENEM diversos estudantes tiveram suas notas rebaixadas e cobram do MEC para resolver a questão que pode fazer milhares de estudantes de conseguir entrar em universidades por todo o país.

segunda-feira 20 de janeiro| Edição do dia

Após a grande repercussão sobre os possíveis erros no ENEM, o ministro da educação de Bolsonaro, Weintraub, veio dizendo que os estudantes prejudicados não passavam de 0,1% do total de estudantes que realizaram a prova. Como forma de minimizar a situação o ministro culpou a gráfica de impressão da prova, dizendo que algumas provas “engasgaram” no processo.

Ainda assim, o ministro da educação disse manter a inscrição do SISU para esta terça-feira (21) mesmo com erros nas provas e indignação dos estudantes. O INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas) órgão responsável por todo o processo do ENEM disse que o número de estudantes prejudicados pode chegar a mais de 60 mil.

Segundo fontes de O Estado, servidores do INEP alertaram sobre o risco de abrir o sistema de inscrições antes de mensurar o número real de estudantes prejudicados. Weintraub quer diminuir ao máximo os diversos questionamentos feitos ao ENEM desde o início do ano passado, ao mesmo tempo que corre a consulta pública para o projeto Future-se altamente rejeitado pelas universidades do país a partir das mobilizações do dia 15 e 30 de maio de 2019.

Bolsonaro e Weintraub atacam as universidades públicas porque também sabem que ali se concentra um grande setor que se levanta contra seu projeto de educação. O Future-se tem o objetivo de abrir grandes portas para iniciativa privada dentro das universidades, transferindo o conhecimento produzido ali para as empresas privadas. Querem transformar radicalmente as universidades a serviço dos lucros dos grandes monopólios de educação.




Tópicos relacionados

Abraham Weintraub   /    Governo Bolsonaro   /    Vestibular   /    ENEM

Comentários

Comentar