Política

ATAQUE AOS SERVIDORES DO RIO

Sem pagar 13˚, Pezão quer cobrar 14% de alíquota previdenciária de servidores em outubro

Após ter pagado três salários em atraso, mas ainda devendo o 13˚ para milhares de servidores e aposentados, governo de Pezão quer cobrar nova alíquota previdenciária maior já em outubro dos que estão com salários em dia.

quinta-feira 24 de agosto| Edição do dia

O ataque aos salários dos servidores de aumentar a alíquota previdenciária de 11% para 14% foi aprovado pelos deputados estaduais nesse anos. A política faz parte dos planos de ajuste acordados entre Pezão e Temer para fazer com que os trabalhadores paguem pela crise, enquanto os capitalistas seguem lucrando e com isenções milionárias no estado do Rio.

A medida faz parte também das exigências para que o Rio entre no Regime de Recuperação Fiscal e receba um novo empréstimo de R$ 3,5 bilhões. A essa exigência se somavam outras como a privatização da CEDAE. Contudo, o empréstimo ainda não foi concedido.

O plano do governo de Pezão é que os servidores que estão com os salários em dia já comecem a pagar a nova alíquota previdenciária com acréscimo de 3% já em outubro. Entre os que seriam alvo da medida estão os funcionários do Judiciário, do Legislativo, do Ministério Público e da Defensoria. O pessoal da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e da Secretaria de Educação, que já recebeu o 13º salário, também poderia entrar na lista. O governador Luiz Fernando Pezão confirmou ontem que a PGE está concluindo um parecer jurídico sobre o assunto.

Mesmo aliados de Pezão se colocam contra a medida. De acordo com o jornal Extra, um interlocutor próximo do governo afirmou que ele "Tem margem jurídica, mas não política" para tomar essa medida.

É mais uma amostra de até onde Pezão está disposto a ir para atacar o quanto antes todos os direitos dos trabalhadores enquanto segue beneficiando os capitalistas.




Tópicos relacionados

Luiz Fernando Pezão   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar