Educação

EDUCAÇÃO

Sem escola no bairro 120 alunos do Campos da Serra perdem turno integral

sexta-feira 28 de setembro| Edição do dia

Alunos do loteamento Campos da Serra que frequentam a Escola Municipal Governador Leonel Brizola, terão de estudar ainda mais longe a partir do próximo ano e ficarão sem o turno integral. Atualmente as aulas ocorrem no Bloco J da Universidade de Caxias do Sul (UCS), que cedeu o espaço para que as aulas ocorressem e agora, segundo o que informa a Secretaria da Educação, pede que o espaço seja desocupado.

A partir de 2019 os estudantes deverão ir às aulas durante a tarde, em nova escola, a Escola Estadual de Ensino Fundamental Professora Ivanyr Euclinia Marchioro, que fica no bairro Jardelino Ramos. O turno da manhã ficará para os alunos já matriculados na instituição. Com isso, os 120 alunos da Leonel Brizola perderão o turno integral das 8h às 17h.

A Secretaria da Educação diz que haverá uma nova reunião com a comunidade escolar do Campos da Serra no dia 05 de outubro para esclarecer dúvidas e afirma que o transporte escolar será mantido para a nova escola. Ainda conforme a Secretaria, a escola do Campos da Serra começará a ser construída no início de 2019 e terá capacidade para 550 alunos por turno. Não há informações sobre o tempo previsto para a obra nem o valor e a fonte de recursos para a construção.

Além de perderem o acesso ao período integral, não há concretamente um prazo para que se efetive a construção de nova escola. O total descaso para com a educação é gritante, haja vista o tempo que se estende tal situação, já que desde 2011 quando inaugurado o loteamento, a situação se estende e se agrava ainda mais agora com a mudança fisica e de horário. Perdendo por exemplo o turno integral, se abrem diversas questões, já que muitos pais e mães desses alunos têm horários de trabalhos de 10, 12 horas de jornada, o que se torna um grande problema na vida dessas famílias.

Segundo informações do site GAUCHAZH no primeiro semestre deste ano a reportagem do portal e diversas secretarias municipais buscaram informações concretas sobre a previsão de construção das escolas no bairro, ao que receberam como resposta por parte da assessoria de imprensa da prefeitura de Caxias do Sul que não haveria pronunciamento sobre o assunto. Após isso, houve um pedido via Lei de Acesso à Informação e a resposta da Secretaria da Educação foi que aguardam a liberação de verbas federais para a construção do prédio. Sem citar o valor da obra, a Secretaria informou que a estimativa era de que 65% seriam pagos com dinheiro da União e o restante pelo município. Em 2016, a prefeitura previa custo de R$ 5,5 milhões para uma escola com capacidade para 500 alunos.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 2 milhões de crianças e adolescentes no país estão fora da escola, o que equivale a 5% dos indivíduos nessa faixa etária.




Tópicos relacionados

Crise na Educação   /    Educação   /    Educação

Comentários

Comentar