Sociedade

INTERVENÇÃO RJ

Sem direito a reclamar: homem é preso por desacato em operação das Forças Armadas no Rio

No último sábado (3) um trabalhador autônomo de 26 anos foi preso por desacato na Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio, durante uma operação das Forças Armadas. Esse foi o primeiro caso de prisão por desacato desde que o governo Temer decretou a intervenção no Rio de Janeiro.

segunda-feira 5 de março| Edição do dia

A prisão aconteceu durante uma operação que tinha o objetivo de desobstruir vias e retirar barricadas montadas nas favelas para dificultar o acesso das forças repressoras. 1.400 militares participaram da operação, com apoio de blindados e tratores.

Segundo a assessoria do Comando Militar do Leste (CML), o homem foi preso porque “proferiu uma série de xingamentos, ofensas e palavras de baixo calão direcionadas aos militares em presença na atividade”, logo no início da operação. O homem, que não teve sua identidade divulgada, é um trabalhador autônomo, que vai ter que responder por auto de prisão em flagrante e delito por desacato a militar em serviço na operação relacionadas à Garantia da Lei e da Ordem (GLO), segundo o CML.

Sobre esse acontecimento, militares do Comando Conjunto das Operações disseram que “o fato desde sábado mostra que é importante se discutir o desacato a militares porque muita gente acha que pode sair xingando e tudo bem”.

Enquanto isso, os moradores das favelas do Rio de Janeiro devem viver com a insegurança, com medo de sair de casa, de enviar seus filhos para as escolas, com tiroteios constantes, com conhecidos e familiares sendo assassinados, sem direito de se revoltar contra toda essa situação, devem ir e voltar pro trabalho passando por batidas abusivas, sem reclamar. A intervenção veio para aterrorizar e violar direitos da população pobre e negra dos morros, e aumentar a violência contra eles. A política de repressão, de guerra às drogas, é um crime contra a população pobre e negra.

Saiba mais: A crise da violência no Rio só se resolverá com uma saída anticapitalista à crise social




Tópicos relacionados

Sociedade   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar