Internacional

Opinam trabalhadoras e trabalhadores

Seis meses de Macri: “Está bem claro para quem governa esse sujeito”

Percebo que não há uma lógica ou um modelo sendo seguido, eles mesmos não sabem como vão continuar, os primeiros seis meses já demonstram que não têm um objetivo ou uma conduta. A imagem positiva do presidente para mim tem uma porcentagem cada vez menor, além disso a inflação é uma das preocupações e cresce o medo do desemprego, estou muito preocupada com a economia. Vejo que nestes próximos seis meses teremos que seguir remando com uma esperança muito pouco confiável, e mais ainda as pessoas mais humildes, os trabalhadores. Os salários baixos, a insegurança. Não me convence nada Macri. Mabel, trabalhadora de Telecom CABA

quinta-feira 16 de junho de 2016| Edição do dia

Começaram bem com o tema do cepo (“prisão cambial”), que saímos do default e depois com o tema dos aumentos e tarifaços foi se perdendo e agora estamos na expectativa. Trabalhadora Telecom CABA

Creio que estes seis meses foram decaindo em todos sentidos, as coisas mais caras, o transporte pior e o meu salário segue sendo o mesmo, estou aguardando o aumento como se fosse uma glória. Os poucos benefícios que tínhamos foram decaindo, agora temos que economizar em cada gasto. Na verdade, está claríssimo para quem governa esse sujeito, as provas são claras, creio que inegáveis, ele é exatamente o que aparenta ser. Leiza, trabalhadora de Obra Social CABA

O que está claro é que os aumentos das tarifas são inacessíveis!! Os preços dos produtos muito altos!! No dia 1 fui ao banco e não me recordo de ver tanta gente, as pessoas foram desesperadas negociar porque salário nenhum dura até o fim do mês. O meu sem ter que pagar aluguel não dura, imagino a situação dos aposentados. O governo diz é “circunstancial”, claro, enquanto os seus não morrem de frio nem fome e podem aguentar. Natalia, professora educação especial CABA

Um desastre, o que sei é que estamos pagando dívidas anteriores, mas não há saldo que dê conta! A verdade é que é minha pior situação desde que tenho juízo (28 anos). Mas a austeridade e o tarifaço me matam. Celeste, trabalhadora Telecom CABA

Minha percepção do período Macri até o momento, é que aumentou a desigualdade social, ao retirar subsídios, com o aumento de tarifas, de forma até ilegal já que não houve uma porcentagem estudada de aumento, foi discricional e sem um estudo prévio, afetando os setores mais vulneráveis e todo a economia em conjunto, como pequenas empresas que não podem resistir a esses aumentos e, ao mesmo tempo, pagar salários. Sem ter em conta que os serviços públicos são um direito. Por outro lado, existe uma mudança de concepção do Estado, a ideia de que o Estado deve gerir-se como uma empresa, sem levar em conta a função social que deve cumprir o mesmo. Não se entende qual modelo econômico se segue, o que sei é que não é produtivo, ou sustentável, nem orientado ao mercado interno, parece ser mais especulativo financeiro, beneficiando aos setores mais ricos e proporcionando a concentração. Esse governo nos faz crer que devemos ajustar e ainda por cima que quem deve pagar são os trabalhadores. Ximena, trabalhadora Telecom CABA

Estes seis meses de Macri me parecem péssimos, estão transferindo, sem nenhum disfarce, toda a riqueza às grandes empresas, a partir da justificativa do dano causado pelos Kirchner, devido a trágica herança, e a blindagem midiática, assim conseguem encobrir os grandes casos de corrupção macrista. Estefanía, professora CABA

Nestes seis meses de gestão, vejo somente uma ação prejudicial aos trabalhadores e benéfica aos setores mais poderosos, vejo uma blindagem midiática obscena, durante a campanha prometia-se muitas vozes e pobreza zero, na prática é totalmente o contrário. Vejo eleitores enganados com promessas, vejo justificativas apontando culpas do governo anterior, e sem obstáculos os ajustes se impõem sobre a população. Já aguentamos as crises de 2001, para que não se repetisse novamente. Vejo um país governado por CEO, os quais pensam que nossos salários são um custo a mais, no que se beneficiam as mineradoras, os grandes proprietários, os empresários. Enquanto o povo iludido, espera que nesse segundo semestre tudo melhore, se esquecem que o atual presidente está processado, e que sua família foi causadora de uma dívida que ainda hoje pagamos. É lamentável saber que teremos que viver silenciados pelo medo que nos demitam, ou que façam represarias aos mais vulneráveis. Creio que como trabalhador consciente, é nosso dever defender os direitos, contra a direita neoliberal e extingui-la para sempre da nossa terra. Devo dar graças a Macri, porque o que ele está conseguindo é púnico, unir o povo pela primeira vez, mas para retira-lo dessa cadeia que lhe é muito grande. Trabalhador Movistar CABA

Minha opinião sobre este semestre que é um dos piores que pude observar nos meus 41 anos de vida, são muitos prejuízos, não só para os trabalhadores, o que torna ainda pior as coisas é o desamparo da nossa gente nos rincões de nossas províncias, a falta de critério humano, o terrível mal estar econômico, e principalmente a ausência de justiça. Juan Manuel, trabalhador Telefónica CABA

Odeio Macri!! Governo para os ricos. Ruim, negativo, estou desanimado, muito triste pelo que têm feito até agora, nada benéfico aos trabalhadores. Professor, San Nicolás

Para mim é um governo liberal e entre todas as medidas que foram tomadas, nenhuma foi em favor dos pobres. Eu penso que isso que prometeram na campanha, de acabar com a pobreza, com as medidas que tomou, não creio nisso, por isso não dou crédito ao governo de Cambiemos. Trabalhador de alimentação, CABA

A quantidade de decretos proclamados em tempo recorde, as novas leis e as novas disposições, facilitam a vida de alguns poucos, e complicam a vida de muitos. Sou um trabalhador que vive todos os dias sem saber como irei chegar até o fim do mês. Essa promessa de felicidade e mudança é uma terrível farsa para algo muito mais obscuro para os trabalhadores. Trabalhador Trânsito CABA

Eu estou em desacordo com o repentino aumento das tarifas, a inflação fora de controle, o imposto pelas ganâncias e que não façam nada pelos demitidos. Trabalhador Telefónica CABA

Os seis meses de governo de Macri deixaram mais de cem mil trabalhadores na rua. Isso se viu tanto em âmbito privado como público, e nas províncias que dirige o PRO como naquelas com mandatos pela FpV. Os aumentos em todos os serviços (luz, água, serviços de telecomunicação, transporte) e na cesta básica aprofundaram a crise econômica do país e da classe trabalhadora. No caso de estar em branco, o salário tampouco conseguiu se recompor na maioria dos setores (menos bancários e petroleiros, exemplos a seguir) já que as reuniões de negociação foram derrotadas, levando a uma maior precarização do trabalho. Tudo isso acompanhado pelas burocracias sindicais, sempre aliadas aos governos no poder e as patronais, que prometeram paralisações nacionais por medidas anti-operárias (Lei antidemissões), e logo agiram desmobilizando as bases. Fica óbvio que a organização com planos de luta é a única saída para a classe trabalhadora. Soledad, trabalhadora Telecom CABA

Tradução: Yuri Marcolino




Tópicos relacionados

Mauricio Macri   /    Internacional

Comentários

Comentar