Sociedade

BIODIVERSIDADE

Segundo cientistas da Conicet, animais em risco de extinção são vendidos como atum na Argentina

Os filés etiquetados na verdade consistiam em tubarões, raias e outros animais. "As espécies estão todas ameaçadas e algumas caíram drasticamente na Argentina", declararam.

sexta-feira 4 de outubro| Edição do dia

21% do filé de peixe vendido no varejo, ao longo da costa atlântica de Buenos Aires, não corresponde às espécies indicadas pelos comerciantes. É isso que indica um trabalho publicado em 25 de setembro na revista científica Fisheries Research, conduzida por biólogos do Instituto de Pesquisa Marinha e Costeira (IIMyC) da Conicet e da Universidade Nacional de Mar del Plata e do Instituto Nacional de Limnologia (INALI), dependente da Conicet e da Universidade Nacional da Costa.

Os autores do artigo, intitulado Temos certeza de que comemos o que compramos? A rotulagem incorreta de peixe na província de Buenos Aires, o maior mercado de frutos do mar da Argentina, são Gabriela Delpiani, Matías Delpiani, Mariana Deli Antoni, Marina Covatti, Luciana Fischer e Juan Martín Díaz de Astarloa, por IIMyC, e Luis Lucifora , por INALI.

Até alguns anos atrás, era impossível determinar as espécies de onde provém um produto da pesca de onde foram removidas todas as características morfológicas úteis para diagnosticar uma espécie, como um filé de peixe. Atualmente, a técnica conhecida como "código de barras genético" permite identificar com precisão as espécies de onde vem uma amostra de identidade desconhecida. Essa técnica baseia-se na determinação, na amostra de teste, da sequência de um gene que varia entre as espécies e na comparação com sequências de amostras conhecidas.

"Neste trabalho, aplicamos a técnica do código de barras genético para estabelecer de quais espécies os filés vendidos na pesca da costa atlântica vêm e se correspondem ao que as pessoas dizem que estão vendendo", diz Gabriela Delpiani, quem liderou o trabalho.

Os pesquisadores analisaram amostras de toda a costa atlântica de Buenos Aires, de San Clemente del Tuyú a Bahía Blanca, que corresponde à área com os maiores desembarques de pesca no país. A taxa de substituição por cidade variou entre 13% em Santa Teresita e San Clemente del Tuyú, até 40% em Miramar. Em Mar del Plata e Necochea, as taxas de reposição foram de 25 e 28%, respectivamente.

Além de detectar uma alta taxa de substituição, eles descobriram que as espécies mais usadas para substituir outras são peixes cartilaginosos, ou seja, tubarões, raias e peixes de galo ou elefante, uma vez que foram utilizados em mais de 60% dos substitutos . Várias espécies de peixes cartilaginosos foram vendidas como atum, que foi a espécie mais substituída, e também como arinca ou badejo, entre outras.

“É preocupante que os peixes cartilaginosos sejam vendidos sob outros nomes porque esses peixes têm um alto risco de extinção. De fato, as espécies que detectamos são usadas como substitutos estão todas ameaçadas e algumas caíram drasticamente na Argentina ”, acrescenta Delpiani.

A comercialização de tubarões e raias sob outros nomes abre as portas para o comércio de espécies proibidas, como os grandes tubarões, cujo desembarque é proibido em todos os portos argentinos.

No verão passado, cerca de quarenta cientistas, muitos da Conicet, protestaram contra a pesca ilegal de tubarões no mar da Argentina. Naquela ocasião, Luis Lucifora, um dos autores da investigação atual, indicou em diálogo com o La Izquierda Diario que “sem dúvida, o principal fator por trás da diminuição da abundância de escandinavos é a sobrepesca. Mas devemos ter em mente que é uma espécie que é afetada não apenas por pescadores recreativos, mas também por embarcações comerciais. ”

Segundo os autores, o principal motivo das substituições parece ser a fraude econômica, pois na maioria dos casos as espécies de menor valor comercial foram utilizadas como substitutas de espécies mais caras. Os filés rotulados como atum, linguado, badejo, chernia, brótola ou goraz, na verdade consistiam em tubarões, raias, peixes-galo, garoupa, badejo ou Chaputa, respectivamente; Todos estes têm preços mais baixos do que as espécies no rótulo. Em proporção muito menor, foram observados casos de rotulagem acidental, o que pode ser explicado pela similaridade morfológica das espécies envolvidas.

Para os autores, os resultados indicam a necessidade de padronizar os nomes dos produtos da pesca na Argentina: "As autoridades correspondentes devem tornar pública a lista oficial de nomes dos produtos da pesca e verificar se eles são usados", disse Delpiani. "Essas listas, usadas em muitos países, são ferramentas muito úteis para combater a rotulagem, porque impedem a proliferação de nomes inventados e homogeneízam os nomes dos produtos entre as lojas".




Tópicos relacionados

Argentina   /    Sociedade   /    Meio Ambiente

Comentários

Comentar