Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Secretário de Temer diz que reforma da previdência deve ser mais dura e tirar mais direitos

O secretário de Previdência do Ministério da Fazenda avalia que se a Reforma da Previdência não for aprovada esse ano, deverá ser apresentada lá na frente com uma versão mais "forte", a título de "compensação".

terça-feira 25 de julho| Edição do dia

Segundo Marcelo Caetano, secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, o adiamento da aprovação da reforma da Previdência para o próximo governo exigirá uma "compensação" mais forte do próximo presidente da República para equilibrar as contas públicas.

"A reforma lá na frente vai ter de ser mais forte do que a atual. Como a situação lá na frente estará mais crítica, vai ter de compensar fazendo uma reforma mais forte", afirma.

Ou seja, mais ataques para descarregar ainda mais a crise nas costas dos trabalhadores. Essa parece ser a única saída no horizonte desses políticos burgueses.

Segundo ele, a aprovação da reforma neste ano é maior do que os R$ 18,6 bilhões de economia para 2018 e 2019 por causa do sinal que a aprovação dá em direção a contas públicas mais equilibradas. Consequentemente, aponta para dívida pública e juros mais baixos.

"O impacto fiscal é mais de longo do que de curto prazo. Mas tem reflexos no curto prazo por passar a visão de um ambiente de juros mais baixos", afirma o secretário.

O Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu recentemente uma auditoria nas contas da Previdência e constatou que a tendência de crescimento das despesas com aposentadorias e pensões é preocupante. O diagnóstico mostra que "a Previdência é um caos de muitas gestões", disse o ministro do TCU José Mucio Monteiro, que foi relator do processo.

"Não sei quem mais vai ter o talento de adiar esse problema, porque esse problema está na nossa porta. Assim como as outras reformas. Temos protelado a resolução de algumas questões que são imunes a quem está no governo. São problemas que serão da sociedade brasileira, seja de que partido for (o governo)", afirmou Monteiro.

Sabemos que talento mesmo quem tem é a população idosa, que precisa sobreviver com baixos valores recebidos de aposentadoria, enquanto aqueles que arquitetam as reformas e os ataques garantes seus altos salários. E querem piorar essas condições ainda mais, condenando a população brasileira a trabalhar até a morte sem o direito de se aposentar. É isso que significa a Reforma da Previdência que querem passar a todo custo. Então, realmente, é um problema que diz respeito à sociedade brasileira, porque somos nós que vamos pagar o preço dessas reformas.

O secretário de Previdência defende a votação do texto aprovado na comissão especial ainda este ano para estancar o crescimento acelerado dos gastos previdenciários.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que vai pôr a reforma para votar em agosto. Mas parlamentares admitem nos bastidores que, se a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentar outras denúncias contra o presidente Michel Temer no mesmo mês, não haverá chances de o texto ser aprovado ainda em 2017.




Tópicos relacionados

Reforma da Previdência   /    Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar