Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Secretário de Temer defende que Reforma Previdência arranque mais o couro do trabalhador

O Secretário da Previdência e do Ministério da Fazenda de Temer declarou que acha insuficiente que se aprove “apenas” o aumento da idade mínima para aposentadoria, e defende que o texto da Reforma da Previdência se mantenha, e o couro do trabalhador seja mais arrancado para eles pagarem a crise deles.

quarta-feira 9 de agosto| Edição do dia

(à esquerda Marcelo Caetano, o secretário de Previdência do Ministério da Fazenda)

Temer vem tentando sinalizar uma espécie de “facilitador” para encaminhar a Reforma da Previdência na Câmara, que convença sua base a votar por esse profundo ataque, às vésperas de ano eleitoral.

O presidente fala agora em aprovar a “reforma possível”, tendo como mínima a aprovação do aumento da idade mínima para aposentadoria, 65 para homens e 62 às mulheres, e uma demagogia de “corte de privilégios”, que significará em perda de direitos de uma ampla camada do funcionalismo, enquanto o alto escalão mal sentirá o cheiro desse ataque podre à aposentadoria dos trabalhadores.

Seu secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, por outro lado, defende que se discuta o texto aprovado na comissão especial da Câmara, que fez algumas alterações pontuais no projeto original. Admitiu ser essencial aumentar a idade mínima ao ponto dos trabalhadores se aposentarem perto ou depois da morte, mas também que as contas públicas precisam ser pagas ou retirando “despesas” (nossos direitos), ou aumentando a receita (aumentando impostos).

“Ficar só com a idade mínima fica uma reforma que é insuficiente”, insistiu. Nos últimos meses, cresceu a ideia entre os parlamentares de fatiar a reforma e aprovar agora somente a idade mínima e deixar o resto das mudanças para o primeiro ano de governo do próximo presidente.




Tópicos relacionados

imposto   /    Reforma da Previdência   /    Política

Comentários

Comentar