Sociedade

SERVIDORES DO RS

Sartori mais uma vez parcela salários de servidores no RS

O governador José Ivo Sartori anunciou na última quinta feira de março um novo calendário de pagamentos parcelados de salários dos servidores no RS. O calendário prevê o pagamento inicial de R$ 1.250,00 com o restante do salário parcelado em 8 vezes.

quinta-feira 7 de abril de 2016| Edição do dia

No dia 24 de março o governador já havia anunciado nas principais mídias do estado o possível parcelamento de salários, como de fato ocorreu.

Alegando novamente falta de dinheiro devido a retração da economia do país o governador joga novamente a crise sobre as costas dos servidores do RS, em contraponto, deixando os salários dos parlamentares e judiciário na sua integralidade.

O terrorismo com os salários dos servidores não vem de agora, já nos primeiros meses após o inicio de sua governança o governador Sartori veio parcelando sucessivamente, mês após mês os salários dos servidores ao ponto de cortar verbas para as escolas e hospitais, como deixando os servidores sem décimo terceiro e atrasando o pagamento das férias.

A falta de dinheiro para dar conta da folha de pagamento dos servidores não acontece para outros setores, como a cúpula do judiciário e as isenções fiscais para as grandes empresas no RS. Neste mês de abril além de todas as desculpas que ja foram dadas pelo governador Sartori, nesta última quinta-feira de março a secretaria da fazenda justifica o parcelamento devido a forte retração da economia do país.

"Diante de uma crise econômica profunda que passa nosso país, percebemos um grande conluio entre o governo Dilma e os governadores dos estados (nesse caso no RS) de colocar a conta da crise sobre os ombros dos trabalhadores com violentos cortes de investimentos em saúde e educação, como o absurdo de parcelamento de salários dos servidores. Por isso dentro do cenário econômico e político em que vive nosso país, os trabalhadores precisam se mobilizar fortemente contra as medidas de ajuste fiscal que nada mais é que grandes retiradas de direitos, como também não apoiar o impeachment que visa nada mais, nada menos que um método da burguesia para conseguir arrochar, ainda mais a vida dos trabalhadores e das trabalhadoras do país."

Contudo em meio ao cenário de caos que vive o RS, o governo do estado continua nomeando cargos de confiança e lembrando que no início de seu mandato o governador aumentou o seu próprio salário e dos parlamentares.

Assim o governo usa dois pesos e duas medidas para beneficiar seus parceiros e prejudicar a juventude e os trabalhadores. Os trabalhadores pagam uma alta carga de impostos quando não perdem o emprego, os estudantes oportunidade de ter uma educação de qualidade para melhorar de vida. Ao mesmo tempo, em meio à crise que eles mesmos produzem ao manter o pagamento de uma dívida sob juros para lá de abusivos, o governador nomeia 52 cargos comissionados, escancarando que tem dinheiro para o que lhe interessa. Todo o sacrifício aos trabalhadores em benefício das elites e de seus parceiros, e, ainda existe a ameaça de não haver pagamento no próximo mês. Está mais do que na hora de um BASTA! É preciso que a base se organize em cada local de trabalho para travar uma luta independente das direções sindicais e que exija do governo uma resposta imediata com relação ao não pagamento da dívida para garantir os serviços básicos à população, e, uma auditoria que revise os juros abusivos e demonstre que essa dívida contraída há anos já foi paga mais de três vezes pelos contribuintes trabalhadores que dia a dia lutam para sobreviver.




Tópicos relacionados

Porto Alegre   /    Crise gaúcha   /    Sociedade   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar