RIO GRANDE DO SUL

Sartori é derrotado e não consegue aprovar privatizações e ataques ao povo gaúcho

quarta-feira 31 de janeiro| Edição do dia

Após três dias de sessões extraordinárias na Assembleia Legislativa, o governador Sartori (PMDB) e sua base foram incapazes de aprovar o pacote de maldades que vêm prometendo.

O pacote consistia basicamente em 3 PEC’s que previam acabar com a obrigatoriedade de plebiscito popular para se privatizar as estatais CEEE, CRM e Sulgás e um Projeto de Lei que prevê a adesão ao Regime de Recuperação fiscal proposto pelo Governo Temer. Tal RRF previa a suspensão temporária do pagamento da dívida do estado com a União em troca de inúmeros ataques aos trabalhadores e serviços públicos, como as privatizações, congelamentos salariais, suspensão de contratações de professores, extinção de fundações e outros ataques.

Trata-se de um ajuste fiscal de teor neoliberal onde os únicos beneficiados seriam os grandes empresários e bancos, em detrimento da população que já vem sofrendo com a crise. São medidas que visam descarregar nas costas dos trabalhadores e do povo a enorme crise econômica pela qual vive o estado.

As partes de dentro e de fora da Assembleia Legislativa do RS nesses últimos três dias foram ocupadas por centenas de servidores das estatais ameaçadas, professores, ativistas e população que protestavam contra as medidas do governo. Enquanto uma minoria de CC’s, membros do MBL e partidos da base do governo transitavam pelo plenário em baixo número, inúmeros de trabalhadores protestavam durante todos os dias contra Sartori numa luta incansável. Essa desproporção mostrou como boa parte dos trabalhadores e da população gaúcha não aceitam os ataques do governo. Graças à mobilização dos trabalhadores e apoiadores, o governo saiu derrotado nessa batalha.

A partir de terça-feira que vem (6), o recesso parlamentar acaba e o governo vai tentar dar continuidade aos ataques.




Tópicos relacionados

Sartori   /    Crise gaúcha

Comentários

Comentar