Cultura

ATAQUES NO RS

Sartori começa o desmonte das fundações com notificação aos funcionários da Piratini

Após o aval de Gilmar Mendes para o governo acabar com as fundações, o governo do RS começa o processo de desmonte e demissões pela Fundação Piratini.

quinta-feira 19 de outubro| Edição do dia

A “modernização” do estado conduzida por Sartori, que na prática é a destruição dos serviços públicos e a demissão dos trabalhadores, foi aprovada pela Assembleia Legislativa e sancionada pelo executivo, mas ainda enfrentava o obstáculo de decisões judiciais que obrigavam o governo a pelo menos ter que fazer acordos coletivos com os sindicatos dos trabalhadores que serão demitidos. Mas Gilmar Mendes acabou com esse obstáculo e deu carta verde para Sartori começar a destruição.

São seis fundações, uma autarquia e uma sociedade de economia mista na mira do governo, e ele começou pela Fundação Piratini, que administra a TVE e a FM Cultura. São 224 funcionários que serão mandados para a rua, além do fim de um patrimônio público cultural de todo o povo gaúcho. Quando a fundação estiver extinta, a outorga pública da TVE e FM Cultura serão repassadas à Secretaria de Comunicação, virando mais uma mercadoria e acabando com o pouco de público que ainda existe no meio televisivo e radiofônico.

O Secretário de Planejamento de Sartori, Carlos Búrigo, confirmou a demissão dos servidores: “Vamos desligar os servidores conforme a não necessidade de seus trabalhos em cada fundação. Temos fundações que terão seus serviços transferidos para secretarias ou departamentos. Na medida que a gente vai transferindo, os servidores que ficarão sem função serão desligados “.

Uma Frente Jurídica que trabalha em defesa das fundações informou que pretende tomar as medidas jurídicas contra a decisão do STF feita por Gilmar Mendes q que deu autorização para o prosseguimento do desmonte.

A lista das instituições que o governo de Sartori pretende destruir são: Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec, que também já está com a sua extinção sendo encaminhada), a Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH), a Fundação de Economia e Estatística (FEE), a Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul (FZB), a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan), a Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH) e a Companhia Rio-grandense de Artes Gráficas (Corag).




Tópicos relacionados

RS   /    Rio Grande do Sul   /    Sartori   /    Crise gaúcha   /    Cultura   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar