Cultura

CULTURA

Sarau das Pretas leva ancestralidade, música e poesia às periferias de SP

Com percussão e carregado de ancestralidade, o Sarau das Pretas – coletivo formado por artistas negras de São Paulo – percorre de setembro a novembro de 2016 diferentes periferias da cidade São Paulo na Caravana Juventude Viva, organizada pela Coordenadoria de Políticas para a Juventude, ligada à Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania.

quarta-feira 5 de outubro| Edição do dia

O próximo encontro do Sarau das Pretas na Caravana Juventude Viva ocorrerá no dia 07 de outubro em Parelheiros e terá duração de 1h. A programação compreende também outros quatro eventos pela Caravana, que ocorrerão nos próximos meses em diferentes periferias.

O coletivo surge no contexto das ações culturais e políticas ligadas ao protagonismo e empoderamento das mulheres em defesa de seus direitos. São jovens mulheres negras atuantes no cenário cultural que revelam, por meio da literatura, da musicalidade, dos tambores e corpos, as realidades de viver o feminino e o feminismo. Assim, o Sarau das Pretas é, acima de tudo, um encontro para partilhar a escuta e a palavra, permeado pela busca e valorização da sabedoria ancestral negra.

O Sarau das Pretas: ancestralidade, corpo e poesia

O Sarau das Pretas é conduzido por cinco mulheres negras. As poetas Débora Garcia, Elizandra Souza, Jô Freitas e Thata Alves protagonizam o espetáculo, que conta também com percussionistas como Tayssol Ziggy. Cada uma delas já protagonizam projetos singulares na capital e região metropolitana.

Segundo a criadora do coletivo, Débora Garcia, o Sarau das Pretas foi idealizado a partir de um convite do Sesc Pompéia para uma atividade literária em comemoração ao Dia Internacional da Mulher. Desde então, elas empenham-se em apresentações por toda capital paulista.

“A atividade atraiu um público expressivo, que passou a demandar a realização de outras edições. Diante do nosso entrosamento e da demanda do público, percebi que havia uma lacuna por um espaço de protagonismo negro feminino no cenário dos saraus periféricos da cidade de São Paulo. Sendo assim, fiz o convite às participantes e decidimos seguir com o Sarau das Pretas”, contou.

A dinâmica das apresentações conta com intervenções de poesia, dança afro e percussão, sendo sempre iniciadas e encerradas com uma intervenção coletiva das artistas.

No decorrer da ação as poetas residentes intercalam suas declamações e intervenções artísticas com a participação do público. “A proposta do sarau é que haja esse diálogo, escuta, interação e participação do público através do microfone aberto, onde qualquer pessoa pode se manifestar”, destacou Débora Garcia.

Ainda de acordo com as criadoras do sarau, as intervenções coletivas ambientam os participantes e são produzidas a partir de manifestações da cultura popular e afro-brasileira, tais como jongo, coco, samba de roda, saudações aos orixás e até mesmo o rap, por ser uma importante manifestação cultural das periferias.

Desde a sua primeira edição, em março deste ano, o Sarau das Pretas participou da 2° Mostra da Mulher Afro, Latino-Americana e Caribenha, realizada no Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes; do evento Estéticas das Periferias, do lançamento do livro da escritora Conceição Evaristo na Ação Educativa, e entre os meses de setembro a novembro, participará da Caravana Juventude Viva, atividade ligada à Coordenadoria da Juventude, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

A Caravana da Juventude Viva

Entre os meses de setembro e novembro, o Balcão de Direitos Humanos e a Coordenadoria de Políticas para a Juventude da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania promovem a Caravana Juventude Viva, com atividades itinerantes que percorrem diferentes regiões de São Paulo, priorizando as com elevados índices de risco e vulnerabilidade social.

De acordo com a secretaria, a caravana tem o objetivo de prestar orientação à população no que se refere à garantia e violação de direitos, acesso às políticas públicas, proteção e defesa dos direitos da juventude.

Para Elizandra Souza, esta é uma oportunidade e ampliar o público do Sarau das Pretas. “É assim que acessamos nosso público e declamamos para outras mulheres pretas e periféricas”, disse.

Nos encontros da caravana o Sarau das Pretas contará com a participação de artistas da região, promovendo assim um intercâmbio cultural entre as artistas negras atuantes na cidade de São Paulo

SERVIÇO
Confira a programação

07/10/106 (sexta-feira)
Horário: 16h00 às 17h00
Local: Associação Cultural e Comunitária Sorriso do Futuro
Endereço: Rua Juritis, 71 – Parelheiros – São Paulo




Tópicos relacionados

Poesia   /    Dança   /    Movimento Negro   /    Cultura

Comentários

Comentar