Educação

ATAQUES À EDUCAÇÃO

São João da Barra convoca professores para dar aula de graça em programa criado por Temer

terça-feira 10 de abril| Edição do dia

O professor talvez seja a categoria profissional menos valorizada no país, e o governo federal segue dando exemplos de seus ataques à educação com "Programas Institucionais" que são um verdadeiro escárnio aos profissionais da educação. Um exemplo é a prefeitura de São João da Barra (RJ), que abriu um "processo seletivo" para 16 professores voluntários (isso mesmo, sem salário), para cobrir aulas da 1ª E 2ª série, em 16 escolas da região. Veja aqui o edital.

Aos professores é oferecida uma ajuda de custo mensal de R$ 150,00, por escola que cumprir a carga horária de 15 horas no programa, segundo consta no portal do MEC:

I – R$ 150,00 (cento e cinquenta reais) por mês, por turma de
acompanhamento pedagógico, para escolas urbanas que implementarem
carga horária complementar de 15 (quinze) horas

Isso não é uma inovação da prefeita Carla Machado (PP). A prefeitura conta com a ajuda do Programa "NOVO Mais Educação", formulado em 2016 e colocado em prática já no final de 2017, Temer e o Ministério da Educação, com o reacionário Mendonça Filho propuseram o trabalho voluntário nas escolas.

Enquanto gastou-se R$ 5 bilhões para pagar os auxílio moradia dos juízes desde 2014 (segundo a ONG contas abertas), Temer e seus asseclas do governo, do judiciário e do congresso nacional não querem pagar nada aos professores que serão empregados para alfabetizar as crianças nas escolas públicas.

É revoltante que sobre dinheiro para pagar a dívida pública, que sobre dinheiro para mil maracutaias, compras de apoio, financiamento público de campanha, auxílios moradia, bolsa paletó, enquanto que para ensinar as crianças a ler e à escrever, o governo propõe que seja feito com trabalho "voluntário" dos professores.

A verdade é que estes golpistas querem atacar nosso direito de voto com a condenação arbitrária de Lula, ou direito de se aposentar, de ter direitos trabalhistas, para sobrar muita grana para eles. Recebem tudo isso sem trabalhar ou produzir nada, e ainda querem propôr que os professores façam "trabalho voluntário".




Tópicos relacionados

Educação   /    Professores   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar