Sociedade

VIOLÊNCIA

São 10,5 mil jovens assassinados por ano no Brasil!

Numa pesquisa encomendada pela Secretaria de Direitos Humanos do governo federal, em parceria com o Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (Pnud), aponta para 10,5 mil assassinatos de crianças e adolescentes, com até 19 anos, por ano no Brasil. Atinge quase uma média brutal de 29 assassinatos por dia, ficando atrás apenas do México e El Salvador (e Síria que não entrou na pesquisa por estar em guerra civil).

sexta-feira 1º de julho de 2016| Edição do dia

A notícia foi divulgada no Estadão e em algumas outras mídias burguesas, onde fazem uma analise "imparcial", "neutra", frente ao assassinato da juventude, dizendo que "a tendência das estatísticas aponta que o cenário de violência contra esse público deve continuar crescendo nos próximos anos", e explicam esse crescimento apontando para a "violência homicida" que permeia a juventude. Mas, o que escondem essas estatísticas? Quais são os assassinos?

Como viemos mostrando, aqui e aqui, diariamente são registrados assassinatos de jovens pelas mãos da polícia. A impunidade dos algozes da juventude tem sido garantida pelos governos. São esses fatos que fazem a estatística pezar contra a vida da juventude, principalmente negra e pobre.

Para ver onde estão os assassinos, basta olhar para a polícia de São Paulo, uma das mais assassinas do mundo. Esses encabeçam a lista dos assassinos da juventude. No Rio e em todo o país é o mesmo. Como no caso da chacina de Costa Barros, onde os assassinos ainda estão impunes. Ou no Rio de Janeiro, onde a polícia está nos morros deixando seu rastro de sangue.

Em todas as capitais brasileiras, infelizmente, podemos enumerar diversos casos de chacinas cometidas pelo braço armado do estado, tantos casos que se torna impossível enumerá-los aqui e agora. Mas um fato é comum a todas: as balas tem o alvo na juventude negra e pobre, as políticas de redução da maioridade penal e da lei anti terrorismo, o mesmo alvo.

A juventude sofre diretamente as mazelas de um sistema desigual, onde a sua miséria garante a farra de poucos. Em que Bolsonaro e Heinze, mesmo declarando apoio a essas instituições frutos da ditadura e inimigas da juventude, tem seu lugar garantido e assegurado.

Os governos, municipais, estaduais e federal são os responsáveis políticos por cada uma dessas mortes diárias no país. É necessário um basta(!) ao assassinato da juventude negra e pobre! A justiça burguesa está do lado desses assassinos, é necessário acabar com todas as polícias e julgar todos esses assassinos por juri popular. A juventude necessita de acesso à condições dignas de vida, educação, saúde, lazer, emprego, e não policiamento!




Tópicos relacionados

Sociedade   /    violência policial   /    Juventude

Comentários

Comentar