Política

Lava Jato

STF torna Aécio réu fingindo imparcialidade enquanto continua o golpe

terça-feira 17 de abril| Edição do dia

Pressionado pelo resultado de uma pesquisa que mostrou que mais da metade da população considera que a Lava Jato é parcial e não julga nem investiga todos os partidos, a Lava Jato tornou o senador Aécio Neves réu por corrupção e obstrução da justiça.

O tucano foi pego em áudios pedindo dinheiro para o dono da JBS Joesley Batista. Seu cunhado e sua irmã também são parte do processo, sendo usados para receber a quantia de 2 milhões pedida pelo senador. Porém, está claro que o judiciário está usando Aécio como "boi de piranha" para encobrir todos os tucanos que já foram salvos pela Lava Jato. Como Alckmin por exemplo, que teve suas denúncias liberadas pelo judiciário, logo após a prisão do Lula, além do Ministério Público ter declarado que não estava investigando ninguém em São Paulo, mesmo após uma série de denúncias contra o tucano.

Enquanto o PSDB nada em impunidade, como por exemplo Eduardo Azeredo que tem seu processo do mensalão rolando a mais de 12 anos, com condenação em segunda instância sem nunca ter chegado perto de um presídio, Lula teve tempo recorde no seu processo. Sem nenhum fundamento jurídico sério, em uma condenação que está longe de ter todas as provas que existem contra os políticos da direita, chafurdados em corrupção, a Lava Jato deixa a direita impune, claramente dando continuidade ao golpe de 2016.

Isso só escancara que a operação não tem nada de imparcial, é bastante seletiva e está a serviço da continuidade do golpe institucional, para facilitar as condições para que o governo golpista descarregue a crise sobre as costas dos trabalhadores em um ritmo mais rápido do que o PT conseguiria fazer.

Ela está totalmente a serviço das potências estrangeiras para que entrem cada vez mais em setores chave da infraestrutura econômica do Brasil, tendo à frente a figura de Sérgio Moro, que é aliado a setores imperialistas e casado com uma advogada da Shell.

A Lava Jato de maneira nenhuma está a serviço de combater a corrupção, quer apenas substituir um esquema de corrupção por outro e facilitar as condições de um novo ciclo de saque internacional sobre o Brasil.

Esse regime é corrupto por natureza e é regido por leis tuteladas pelos militares onde os políticos e empresários movem as peças do jogo de acordo com seus interesses. Para começar um combate realmente sério à corrupção, é necessário uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, que coloque abaixo os privilégios de todos procuradores, juízes e magistrados, que todos sejam eleitos e revogáveis pela população, que recebam o mesmo salário que um professor e não que tenham super salários e exorbitantes auxílios moradia, que sejam abolido os tribunais superiores e que todo julgamento seja feito por júri popular.

Nós do Esquerda Diário, do Movimento Revolucionário de Trabalhadores e da Juventude Faísca colocamos todas as nossas forças para combater a arbitrariedade do judiciário e o golpe institucional e repudiamos a prisão de Lula. Mas de maneira independente do PT, que ao governar com a direita e assimilar os métodos de corrupção do capitalismo, especialmente nos últimos anos do governo Dilma que aplicou ajustes contra os trabalhadores, abriu caminho para o golpe institucional e não lutou efetivamente contra ele.




Tópicos relacionados

Operação Lava-Jato   /    Golpe institucional   /    Aécio Neves   /    STF   /    Poder Judiciário   /    Política

Comentários

Comentar