Cultura

Roger Waters causou polêmica ao publicar montagem com foto de Temer

Não é de hoje que a catástrofe da situação política brasileira virou assunto internacional, em maio o músico Roger Waters, um dos fundadores da banda Pink Floyd, postou uma montagem com a foto de Michel Temer para criticar o presidente e divulgar o álbum “Is This the Life We Really Want?” lançado em junho.

segunda-feira 24 de julho| Edição do dia

Não é de hoje que a catástrofe da situação política brasileira virou assunto internacional. E o artista Roger Waters, um dos fundadores da banda Pink Floyd, sempre foi conhecido por expressar artisticamente assuntos políticos, sem separar o artista do sujeito político. Em maio o ex-pink Floyd publicou em seu Facebook oficial uma montagem do novo disco “Is This the Life We Really Want?”, lançado no dia 2 de junho. No post, a montagem conta com a foto de Michel Temer, presidente do Brasil, e a mensagem “Essa é a vida que realmente queremos?” que da nome ao disco escrita em português, na descrição da publicação Waters ainda fez a seguinte pergunta: “Brasil, é essa a vida que vocês realmente querem?”.

Roger Waters sempre inclui a política na sua arte. Ele foi o compositor de um dos mais famosos albuns do grupo, o "The Wall", lançado em 1979. Além de tratar de questões subjetivas do artista, inclui a temática do autoritarismo e da angústia do individuo do mundo moderno que não encontra saída para seus problemas. Em 1982 o album virou filme com roteiro escrito pelo próprio artista, e direção de Alan Parker.

Também na década de 1980, Waters esteve na linha de frente contra a primeira-ministra inglesa Margaret Thatcher. Ele cita a Dama de Ferro na canção "The fletcher memorial home", que faz parte do álbum "The final cut", lançado em 1983 pelo Pink Floyd. A música faz referência a tiranicos incuráveis, a guerra e a situação dos latinoamericanos. Há pouquíssimo tempo atrás, em maio de 2015, o antigo líder do Pink Floyd escreveu uma carta pedindo que os brasileiros Caetano Veloso e Gilberto Gil boicotassem os shows em Israel, em defesa dos palestinos por conta das políticas “coloniais e racistas” perpetradas pelo Estado de Israel.

Na carta direcionada ao músicos brasileiros Waters escreveu : "Caros Gilberto e Caetano, os aprisionados e os mortos estendem as mãos. Por favor, unam-se a nós e cancelando seu show em Israel", escreveu. "De tantas maneiras, vocês são um foco de luz para o resto do mundo". Gil e Caetano ignoraram as críticas e apelos inetrnacionais e realizaram o show em Tel-Aviv.

Waters também é publicamente contra o presidente norte-americano Donald Trump, com críticas ferrenhas ao político. Durante um show no megafestival de rock Desert Trip, na Califórnia, o músico usou seu tradicional porco inflável para protestar contra o candidato republicano enquanto interpretava a canção "Pigs (three different ones)", do álbum "Animals" (1977), do Pink Floyd, uma canção que critica os magnatas, os "poderosos".

O post direcionado a criticar o presidente brasileiro dividiu o público gerando debate. Nos comentários é possível ler mensagens de apoio e descontentamento. Há quem aplaudiu e ovacionou a postura do músico, assim como aqueles que pediram intervenção milital no Brasil, outros criticam a postura de Waters. Fato é que o músico não se abalou e continua se manifestando politicamente através da arte.




Tópicos relacionados

Roger Waters   /    Michel Temer   /    Música   /    Cultura

Comentários

Comentar