Política

CENTRÃO E A EXTREMA DIREITA

Rodrigo Maia rompe com Alckmin por Bolsonaro, centrão assume extrema-direita

"Infelizmente ficou para trás", afirma sobre a candidatura de Alckmin apoiada pelo seu partido, e aposta na vitória da extrema direita para governar o país.

domingo 7 de outubro| Edição do dia

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados e candidato à reeleição pelo DEM, rompeu com a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) apoiada pelo seu partido, e afirmou se identificar com as propostas econômicas de Paulo Guedes, assessor econômico de Jair Bolsonaro, até então favorito nas pesquisas, que para ele deverá ser o vencedor dessas eleições.

Tal declaração de Maia deixa claro que os políticos chamado "centrão", ao não conseguir emplacar sua candidatura golpista e fracassada de Alckmin, passam diretamente para o barco da extrema direita mais reacionária, escravista e anti-trabalhadores representada por Bolsonaro (PSL). Ao mesmo tempo que mostra também o aprofundamento da crise da direita tradicional e de sua base, com o PSDB se mostrando incapaz de conseguir atrair os eleitores anti-petistas, perdendo espaço para Bolsonaro.

"A nível nacional não é o que a gente esperava, nossa coligação ficou para trás, mas o nosso lado ideológico está mostrando grande maioria no Rio e no Brasil", afirma se referindo ao avanço da "ideologia" de direita e extrema direita, como a de seu presidenciável Bolsonaro, ideias contra os direitos sociais, machistas, lgbtfóbicas e escravocratas.

Nada mais coerente para um político conhecido como o destruidor da CLT, ferrenho defensor da já aprovada Reforma Trabalhista, da Reforma da Previdência e de todos os ataques implementados contra os trabalhadores pelos golpistas. Cinicamente, após ser parte da aprovação da PEC 55, que congelou os gastos com saúde e educação por 20 anos, critica o baixo orçamento investido justamente nesses setores, os quais sabemos que inclusive são compostos majoritariamente por trabalhadoras mulheres.

"O PT quebrou o País e temos de organizar para o estado brasileiro voltar a investir", diz Maia. Se sabemos que, sim, o PT foi responsável por abrir espaço para essa direita golpista que hoje está quebrando a vida dos trabalhadores com ataques, através de colocá-los no governo e estarem juntos durante seus 13 anos a frente do país, de assimilar os métodos de corrupção e também atacar os trabalhadores rifando sua base de apoio social, e justamente por planejar voltar ao mesmo método de acordão não é uma saída para os trabalhadores, é preciso apontar igualmente que os golpistas os acusam por que eles próprios querem garantir que os ataques sejam num ritmo muito maior do que estava fazendo o PT, e para que os trabalhadores paguem cada centavo da crise criada pelos capitalistas.

Nós do Esquerda Diário viemos defendendo durante todo o processo manipulado dessas eleições, que a saída para enfrentar e derrotar essa extrema direita que nos odeia vai muito para além das eleições, passa por construir uma alternativa política à esquerda e independente do PT, por apostar na mobilização dos trabalhadores, das mulheres, negros e da juventude, e impor através da nossa luta uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana que possa debater os grandes problemas do país e garantir que não sejamos nós, mas os capitalistas a pagarem pela crise.




Tópicos relacionados

Extrema-direita   /    Rodrigo Maia   /    Eleições 2018   /    Bolsonaro   /    Política

Comentários

Comentar