CAMPINAS

Rodovias importantes fecham em Campinas na greve geral

Campinas amanheceu efervescente nesse dia 14 de greve geral contra a reforma da previdência e os cortes na educação de Bolsonaro. Foram diversas rodovias paralisadas afetando toda a cidade em pontos estratégicos, mostrando a força dos trabalhadores com os estudantes. Ônibus também atrasaram para sair das garagens.

sexta-feira 14 de junho| Edição do dia

Foto: Divulgação Acidadeon

Cidade de Campinas amanheceu com diversos atos paralisando diversas vias contra a reforma da previdência e os cortes na educação. Com destaque para a paralisação de estudantes e trabalhadores na entrada de Barão Geraldo, mostrando grande mobilização na Unicamp com trabalhadores e estudantes de pedagogia em greve e 19 cursos paralisados.

Acompanhe fala de Flávia Telles direto do ato:

A Rodovia Anhanguera, na altura do trevo da Bosch, foi paralisada no sentido capital, em Campinas nas primeiras horas da manhã. Também ocorreu bloqueio na Avenida Lix da Cunha no sentido saída de Campinas, com bloqueio no viaduto congestionando o trânsito.

Desde o fim da madrugada teve manifestação na frente da fábrica da Toyota, em Indaiatuba, perto da Santos Dumont. Na altura do Parque Oziel ocorreu outro fechamento da rodovia Santos Dumont. Além disso, a REPLAN (maior refinaria da Petrobras) amanheceu paralisada. Os bancos da região central da cidade estão fechados.

Como continuidade dos grandes atos do dia 15 e 30M em Campinas, as mobilizações tem que continuar e se massificar para derrotar os ataques de Bolsonaro, como a Reforma da Previdência e os cortes da educação. A Força Sindical mais uma vez se mostrou contra os trabalhadores boicotando a greve geral nos transportes de Campinas. Para combater isso é preciso que tomemos a luta nas nossas mãos, exigindo que as centrais parem imediatamente de negociar o nosso futuro.




Tópicos relacionados

14J Contra a reforma da previdência   /    Governo Bolsonaro   /    Campinas   /    Unicamp

Comentários

Comentar