Mundo Operário

PORTO ALEGRE

Rodoviários da Tinga paralisam contra demissão de delegado sindical e ataques da patronal

Em Porto Alegre, os rodoviários da empresa Tinga, iniciaram uma paralisação na tarde de hoje (27) que continuará amanhã contra os ataques da patronal e o não cumprimento do acordo coletivo; e também contra a demissão do delegado sindical por justa causa plantada pela patronal.

quinta-feira 27 de agosto| Edição do dia

Os rodoviários da garagem de ônibus Tinga, na zona sul de Porto Alegre, iniciaram a paralisação das linhas de ônibus na tarde desta quinta (27). A paralisação começou logo após a absurda demissão por justa causa de um delegado sindical da garagem. Uma demissão plantada pela empresa que já estava há muito por demitir uma liderança que combate a patronal. Os trabalhadores também paralisaram devido ao não cumprimento da empresa com o Acordo Coletivo realizado, e também com os ataques que a patronal vem descarregando na categoria. Os trabalhadores decidiram em assembleia organizada no terminal, que a paralisação seguiria por hoje e amanhã. Também decidiram fazer um protesto na garagem da Trevo, uma das principais garagens da cidade, para se somarem a paralisação.

Com as MP 927 e 936 de Bolsonaro, os rodoviários vêm sofrendo há meses inúmeros ataques da patronal, como redução de salário e cortes do vale refeição, além de sofrerem com as suspensões de contrato. A patronal do transporte segue fazendo ameaças de demissões caso os trabalhadores não aceitem o pacote de ataques, e mesmo assim, as demissões seguem ocorrendo. Enquanto a categoria com esses ataques, as empresas do transporte segue ganhando inúmeras regalias, como a própria diminuição das linhas de ônibus na cidade para diminuir os custos e aumentar os lucros; ou mesmo a fortuna liberada pelo Congresso Nacional as empresas de transporte de todo o país no valor de 4 bilhões de reais para “socorrer os seus prejuízos” enquanto segue demitindo e atacando os trabalhadores.

A categoria dos rodoviários é uma das mais expostas ao coronavírus. Muitos seguem trabalhando com pouca disponibilidade de EPIs pela a empresa, e estão em contato direto com milhares de pessoas por dia, ficando em ônibus lotados que só aumentaram com os cortes de linhas feito pelo prefeito Marchezan para salvar o lucros da patronal enquanto os trabalhadores e os passageiros da cidade ficam horas aglomerados. Mesmo com a cidade de Porto Alegre já tendo mais de 22 mil casos confirmado e 638 mortes pela covid-19, os rodoviários seguiram durante toda a pandemia trabalhando sem terem a garantia de testes por parte do estado e nem das empresas do transporte.

Os rodoviários de Porto Alegre são uma categoria que vem de grandes exemplos de luta, como foi na greve de 2014 onde conseguiram paralisar toda a cidade, mostrando a grande importância que os trabalhadores do transporte têm para a cidade seguir funcionando. É extremamente absurdo todos os ataques e demissões que a patronal vem exercendo, e os rodoviários da empresa Tinga mostram qual o caminho para enfrentar esses ataques. Por isso é importante nos cercamos de solidariedade com a luta e paralisação dos rodoviários, e que através dessa mobilização eles façam com que os capitalistas paguem pela a crise.




Tópicos relacionados

Crise do Coronavírus   /    Governo Bolsonaro   /    Marchezan   /    rodoviários poa   /    Demissões   /    Porto Alegre   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar