Sociedade

RIO DE JANEIRO

Rio de Janeiro: morre bebê baleado pela polícia na barriga da mãe

domingo 30 de julho| Edição do dia

O bebê Arthur Cosme de Melo, atingido por uma bala perdida quando ainda estava dentro da barriga da mãe, em 30 de junho, em Duque de Caxias (Baixada Fluminense), e que desde então estava internado, morreu às 14h05 deste domingo, 30, em decorrência de uma hemorragia digestiva, segundo a Secretaria Estadual de Saúde do Rio.

Arthur estava internado no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias. Segundo a Secretaria de Saúde, Arthur sofreu a hemorragia às 5h30 e seu quadro clínico se agravou nas horas seguintes, levando à morte durante a tarde.

"A família do paciente foi informada e esteve na unidade ainda pela manhã, recebeu todas as informações sobre o estado de saúde do paciente, que esteve gravíssimo nas últimas horas. Todos os procedimentos para reverter o quadro foram adotados, porém não houve resposta clínica do paciente. A família foi imediatamente informada e esteve novamente reunida com a chefia da UTI Neonatal e equipe médica. O corpo do paciente será encaminhado ao Instituto Médico Legal, procedimento que é padrão em casos de violência (vítima de perfuração por arma de fogo, como é o caso)", informa nota da pasta.

A violência policial escalou enormemente nestes últimos meses no RJ. Além do bebê Artur, fez vítimas como o porteiro Fábio Franco de Alcântara, que trabalhava em um prédio da rua Sá Ferreira, em Copacabana, e morreu atingido por estilhaços de uma granada enquanto almoçava.

Ou o caso da mãe e filha que foram mortas. Marlene Maria da Conceição tinha 76 anos e Ana Cristina da Conceição, 42, que foram mortas durante conflito entre policiais da UPP e traficantes na Zona Norte da cidade, que levou à revolta popular com o incêndio de um ônibus e a truculenta repressão policial.

São creches, hospitais e escolas atingidos, além das casas dos moradores dos morros em toda a cidade que são alvo das operações policiais. A demagogia cínica de que a polícia faz essas operações para "garantir a segurança" torna-se cada vez mais evidente em sua falsidade, como demonstrou o envolvimento de ao menos 96 policiais em esquema de propina com traficantes. Os policiais chegavam a exigir que os criminosos cometessem roubos para lhes pagar a propina. E enquanto isso matavam, com seus 250 "autos de resistência", e prendiam inocentes, armando "flagrantes" de tráfico para incriminar usuários e "bater as metas" de prisões.

A violência absurda no Rio de Janeiro é consequência direta tanto da criminosa política de guerra às drogas feita pelo Estado, e que serve apenas para o enriquecimento dos grandes traficantes e da polícia a custo do sangue negro nas favelas, como também é fruto da criminosa política de ataques aos direitos e serviços da população, do desemprego promovido pelos patrões e dos ataques de Pezão e Temer, que aumentam a miséria e jogam milhares de jovens na criminalidade.

Não podemos mais aceitar que os patrões, políticos, policiais sigam enriquecendo ao custo do sangue da população nas favelas, principalmente da juventude negra.




Tópicos relacionados

Sociedade   /    Violência Policial   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar