SEMPRE COM A CAUSA PALESTINA CONTRA O ESTADO SIONISTA

Retificamos um erro cometido no Legislativo da CABA

Sempre com a causa palestina contra o estado sionista. Declaração dos deputados portenhos da Frente de Izquierda Myriam Bregman, Gabriel Solano e Alejandrina Barry.

segunda-feira 29 de junho| Edição do dia

SEMPRE COM A CAUSA PALESTINA CONTRA O ESTADO SIONISTA

Retificamos um erro cometido no Legislativo de CABA

Na sessão de quinta-feira, 18, foi apresentada uma tabela para a cidade de Buenos Aires aderir à definição de anti-semitismo impulsionada pela Aliança Internacional para a Memória do Holocausto (HIRA). A mesma foi votada em um segmento de mesas sem fala, junto com quase 100 temas relacionados aos assuntos mais diversos, como a solicitação de autorizar os passeadores de cães a realizarem seus trabalhos em quarentena ou a mudança de nome de uma escola. Se trata de uma votação geral e por bloco, onde os problemas não são analisados separadamente. A lista dessas tabelas é entregue na quarta-feira à noite para serem votada na manhã de quinta-feira, sem permitir um estudo aprofundado de cada tema, um método absolutamente antidemocrático, porque impede qualquer tipo de deliberação e debate.

A tabela mencionada acima declara que “o anti-semitismo é uma certa percepção dos judeus que pode ser expressa como ódio aos judeus. As manifestações físicas e retóricas do anti-semitismo têm como alvo pessoas judias ou não-judias e/ou suas bens, as instituições das comunidades judaicas e locais de culto”. Como se vê, a definição envolve um problema de fundo. Porque, por um lado, questiona o anti-semitismo, mas, ao falar de "instituições", deixa em aberto a possibilidade de que mesmo o Estado de Israel possa ser integrado a essa definição, que é claramente um estado opressor do povo palestino e gendarme do imperialismo ianque no Oriente Médio.

A Frente de Esquerda tem denunciado a prostração ao sionismo do governo nacional como declarado na primeira viagem de Alberto Fernández a Israel para se encontrar com o genocida Netanyahu, que poe esses dias avança com sua política de terminar de anexar para o estado sionista a Cisjordânia palestina.

À luz do exposto, fica claro que, para a Frente de Izquierda, a mesa deveria ter votado negativamente. Nossa luta até a morte contra o anti-semitismo o fazemos desenvolvendo sempre sobre a base da denúncia do sionismo e do Estado de Israel, construído a partir de um genocídio e na ocupação e roubo de terras e bens do povo palestino. Nossa posição de princípios sobre esse ponto a deixamos clara, participando ativamente das manifestações ocorridas em nosso país na Embaixada de Israel e denunciando os acordos permanentes de todos os governos com o sionismo.

Somos solidário com o povo palestino e sua causa. Exigimos a liberdade de todos os presos políticos por parte do Estado de Israel e todas as demandas palestinas diante de um aumento exponencial de suas penúrias desde o surgimento da pandemia.
Para deixar clara nossa posição, enviaremos este texto ao Secretariado Parlamentar do Legislativo para informá-lo sobre nosso voto de modo negativo.

Myriam Bregman, Gabriel Solano, Alejandrina Barry, deputados de CABA pela Frente de Esquerda.




Tópicos relacionados

PTS   /    Frente de Esquerda e dos Trabalhadores (FIT)

Comentários

Comentar