Juventude

ENEM 2019

Resultados do Enem escancaram elitismo das universidades: lutemos pelo fim do vestibular

Após sair as notas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), que é a principal forma de ingresso no ensino superior no Brasil, foi constatado que 1 em cada 4 pessoas de classe média estiveram entre os 5% melhores na prova, enquanto 1 em cada 600 dentre a população pobre ficou entre os 5%, de acordo com pesquisa do Estado.

sexta-feira 18 de janeiro| Edição do dia

Após sair as notas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), que é a principal forma de ingresso no ensino superior no Brasil, foi constatado que 1 em cada 4 pessoas de classe média estiveram entre os 5% melhores na prova, enquanto 1 em cada 600 dentre a população pobre ficou entre os 5%, de acordo com pesquisa do Estadão. Esse dado escandaloso escancara o filtro social que é o vestibular, que impede o acesso da juventude ao ensino superior, e quão elitistas são as universidades públicas.

A prova do Enem em si já é um absurdo: passando longe de medir o conhecimento de quem presta o vestibular, 180 questões mais uma redação são aplicados em dois dias. Além das dificuldades da prova, os obstáculos para quem a faz são muito diferentes. A renda familiar, o tipo de escola (pública ou privada) em que estudou e se o aluno tem internet em casa, por exemplo, são questões que estão ligadas a ter um bom ou mau desempenho.

A desigualdade racial também não é um dado secundário para compreender o filtro social do vestibular. Mesmo com todas as dificuldades que são impostas, 293 alunos com poucas condições financeiras conseguiram ser exceção e estar entre as melhores notas. Desses 293, apenas 13,6% são negros. Do total, independente da classe social, 13,9% de todas as pessoas que tiveram um bom resultado são negros, em um dos países mais negros fora do continente africano.

Todos os anos milhares de jovens, em sua maioria negros, negras, indígenas e a população pobre, são impedidos de ingressar no ensino superior por conta do filtro social que é o vestibular. A universidade pública, que deveria ser um direito de todos, fica restrita em sua maioria a quem pode pagar por um ensino privado que prepara para a prova de ingresso, tornando todas as condições de competição completamente desiguais.

Para que todos tenham o direito de estudar, por uma universidade que não seja elitista e racista, é preciso que lutar pelo fim filtro social absurdo que é o vestibular. Só lutando pela estatização das universidades privadas, que aumentaram nos governos do PT, é possível garantir educação pública e de qualidade para todos.




Tópicos relacionados

Vestibular   /    ENEM   /    Juventude

Comentários

Comentar