Política

LULA E O PT

Repudiamos o ataque a tiros contra a caravana de Lula no Paraná

quarta-feira 28 de março| Edição do dia

Dois dos três ônibus da caravana de Lula foram atingidos por quatro tiros na noite desta terça-feira (27), no Paraná.

Um dos veículos, que era ocupado por jornalistas e era o último do comboio, teve duas perfurações na lataria — dos dois lados. Outro tiro atingiu de raspão um dos vidros do mesmo veículo. Ninguém se feriu.

O outro ônibus atingido por um tiro levava convidados e estava no meio da comitiva —onde geralmente segue o veículo do ex-presidente.

O ataque ocorreu na saída da cidade de Quedas do Iguaçu, no Paraná, quando a caravana seguia para Laranjeiras do Sul.

Lula estava no ônibus da frente. Mais tarde, a Secretaria da Segurança do Paraná mentiu dizendo que o ex-presidente não estava no ônibus e chegou "de helicóptero a Laranjeiras", informação que a própria reportagem comprovou ser falsa.

Dois dos pneus do ônibus que levava os jornalistas foram furados por ganchos de metal pontiagudos lançados na estrada por opositores do ex-presidente.

Os passageiros do ônibus atingido por três dos quatro disparos ouviram o som do impacto das balas na lataria do ônibus, mas pensaram ser pedradas.

Repudiamos com veemência estes fatos, que são fruto da política do golpe institucional e que atiçam à ação setores de bandas paramilitares ou de extrema direita. É absurdo que uma caravana política seja alvejada a tiros, sobretudo a poucas semanas do brutal assassinato da vereadora do PSOL, Marielle Franco, cuja responsabilidade é totalmente do Estado e dos golpistas.

É grotesca a declaração do direitista tucano Geraldo Alckmin, governador de SP, que disse, referindo-se a Lula, que "Acho que eles estão colhendo o que plantaram. Sempre [quis] partir para dividir o Brasil, nós contra eles. Agora foram as vítimas". Foi seguido na mesma linha pelo atual prefeito de São Paulo, João Doria, cuja reforma da previdência local foi derrotada pela greve dos professores e servidores da capital paulista.

"O PT sempre utilizou da violência, agora sofreu da própria violência", disse Doria. "Mas não recomendo ovos, e sim prisão para ele", cinicamente se referindo às ovadas, e não aos tiros recebidos pela caravana.

Trata-se de um sinal verde dado pelo PSDB paulista a esse tipo de ataque da extrema direita.

Repetimos que apenas a luta de classes e a organização dos trabalhadores pode barrar estas demonstrações aberrantes da direita e seus sequazes.




Tópicos relacionados

João Doria   /    PSDB   /    Alckmin   /    Lula   /    Política

Comentários

Comentar