Renda de negros equivale à 55,8% da dos brancos, segundo IBGE

O rendimento médio de trabalhadores brancos foi de R$ 2.999 por mês em 2019, sendo que o dos negros foi de R$ 1.673.

quarta-feira 6 de maio| Edição do dia

Segundo pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) a diferença entre o salário de trabalhadores brancos e negros aumentou em 2019, atingindo o maior patamar desde 2016. Segundo o instituto, a renda média dos negros equivaleu a absurdos 55,8% da dos brancos.

O rendimento médio de trabalhadores brancos foi de R$ 2.999 por mês em 2019, sendo que o dos negros foi de R$ 1.673. Está diferença foi a segunda maior diferença histórica da pesquisa, iniciada em 2012, ficando abaixo somente da de 2016

Em relação aos trabalhadores que se declaram pardos, a renda média salarial foi de R$ 1719, pouco mais que a dos negros, sendo equivalente a 57,3% do rendimento dos brancos. No caso destes trabalhadores, o rendimento se mantém estável nos últimos anos, após uma pequena queda na desigualdade em 2016.

Já em relação às mulheres em comparação com os homens, a pesquisa revelou que a desigualdade salarial permanece grande, sendo a renda média de 77,7% da dos homens, aumentando de 2018 para 2019. Em relação a 2012 as mulheres passaram a representar uma quantidade percentualmente maior da população ocupada.

Não é coincidência que no primeiro ano de governo Bolsonaro a desigualdade entre o salário de mulheres e negros tenha aumentado em relação a homens e brancos, o governo incentiva por todas as vias possíveis, retórica, econômica e politicamente, o aumento da opressão, violência e ataques à qualidade de vida dessas pessoas que sofrem todos os dias com o racismo estrutural e o patriarcado, tão lucrativos para os capitalistas.

Diante da epidemia do coronavírus, pesquisas indicam que os mais afetados e sujeitos à morte é a parcela negra da população, concentrada em bairros periféricos sem presença alguma do Estado para a prestação de serviços essenciais como a saúde, saneamento básico e moradia digna; apenas aparecem com sua polícia racista e assassina. No caso das mulheres, são as que mais pagam com o trabalho doméstico redobrado e a violência patriarcal que aumenta com o isolamento social.

Para que a igualdade seja de fato conquistada é necessário que todos os que cotidianamente enfrentam a miséria e opressão, tão úteis para que capitalistas lucrem mais roubando o salário de trabalhadores de acordo com gênero e raça e dividem a classe trabalhadora, se organizem para, neste momento, enfrentar o cenário catatrófico organizado pelos governos, lutando pela igualdade salarial de brancos e negros, homens e mulheres e também por toda medida necessária para que vidas sejam salvas.




Tópicos relacionados

Salário   /    Racismo   /    Machismo   /    Economia nacional   /    [email protected]

Comentários

Comentar