Internacional

IMIGRAÇÃO ITÁLIA

Refugiados: Um genocídio em mar aberto

O naufrágio de dois barcos com imigrantes no Mediterrâneo deixou ao menos 30 mortos nessa quinta-feira. Novas tragédias migratórias, consequências da política xenofóbica da UE.

Josefina L. Martínez

Madrid | @josefinamar14

sexta-feira 27 de maio de 2016| Edição do dia

Foto: EFE / Marina italiana

A embarcação saiu da costa da líbia tripulando mais de cem imigrantes e começou a naufragar depois de percorrer 56 Km mar a dentro, quando atravessava o canal da Sicília, entre a Líbia e a Itália. Vários helicópteros de resgate atenderam ao chamado de alerta, mas ao chegar encontraram com “entre 15 e 20 cadáveres” na água, enquanto os sobreviventes lutavam para se manter a bordo. Foram resgatados 96 imigrantes e transferidos a ilha de Lampedusa, na Itália. Uma criança de cinco anos com hipotermia foi levada diretamente ao hospital.

Esta nova tragédia migratória vem a apenas um dia depois do naufrágio de uma embarcação com mais de 500 imigrantes a bordo, a 30 Km da Líbia. As imagens do momento exato em que a embarcação vira e começa a afundar, lançando na água as centenas de pessoas, são realmente dramáticas: morreram pelo menos 5 pessoas.

As mídias italianas difundiram esta semana a história de um bebê de 9 meses que chegou sozinho a Lampedusa, depois que sua mãe morreu no meio da viagem.

Um grupo de pessoas originárias de Mali que cruzavam na mesma lancha inflável entregaram o bebê para a Guarda Costeira ao serem resgatados, e explicaram que a mulher havia morrido em decorrência de queimaduras sofridas pelo combustível, algo frequente neste tipo de lanchas. O bebê foi atendido de imediato e ficou aos cuidados do médico Pietro Bartolo, quem trabalha no ambulatório de Lampedusa e que inspira o filme “Fuocoammare” (Fogo no Mar, em português) do diretor Gianfranco Rosi, ganhador do Leão de Ouro no último Festival de Berlin.

Três histórias, o mesmo drama.

As consequências do pacto da UE com a Turquia

O fechamento da rota balcânica, depois do o acordo reacionário entre a UE e a Turquia, significou a reativação da via pelo Mediterrâneo até a Itália. Líbia, um Estado dividido e absolutamente fragmentado, é um território fértil para grupo de traficantes que oferecem aos imigrantes cruzar o mar em embarcações precárias e abarrotadas até o limite. As políticas xenófobas da UE fechando suas fronteiras e expulsando os refugiados para a Turquia, os obriga a aceitar cada vez mais piores condições para viajar, superlotando barcos que afundam no mar. A guarda costeira italiana informou que nos últimos dias regataram do mar nada menos que 10.000 pessoas, em embarcações à deriva ou em naufrágios.

As políticas migratórias racistas dessa fortaleza chamada Europa estão gerando um verdadeiro genocídio a céu aberto.

No final de abril, sobreviventes de um naufrágio relataram a crônica descomunal da travessia que levou a morte de 500 pessoas, desaparecidas na água. “Vi minha esposa e meu filho de dois meses morrer no mar, junto com meu cunhado”. “Depois do naufrágio ficamos no mar vários dias, sem comida, sem nada”, dizia um sobrevivente.

A ONG Médicos Sem Fronteiras estima que há pelo menos 800.000 pessoas esperando para cruzar o Mediterrâneo da Líbia até a Europa nos próximos meses. A chegada do verão e o bom tempo no hemisfério norte aumentam as tentativas.

De acordo com um informe da Organização Internacional para Migrações, até 21 de maio de 2016, cerca de 191.134 migrantes e refugiados entraram na Europa por via marítima e desembarcaram na Itália, Grécia, Chipre e Espanha.

Segundo as autoridades, até 21 de maio desse ano foram contabilizadas 1.370 pessoas mortas na rota do Mediterrâneo, o que se soma com as vítimas da última semana.

Mas, se uma embarcação com centenas de pessoas afunda no mar de noite, quem fica sabendo? Ninguém contará os mortos.




Tópicos relacionados

Refugiados   /    Imigração   /    Internacional

Comentários

Comentar