Internacional

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Reforma da Previdência é aprovada na Argentina com a paralisia das Centrais Sindicais

O apoio dos governadores e dos deputados do bloco Justicialista foi central. O projeto atingiu apenas 128 votos positivos na votação em geral. À noite, milhares de pessoas fizeram protestos e marcharam para o Congresso.

terça-feira 19 de dezembro de 2017| Edição do dia

A longa sessão legislativa na segunda-feira terminou depois das 7 da manhã. Foi, sem dúvida, uma maratona. Ao longo das mais de 12 horas que durou, ficou evidente a vontade política do governo nacional de aprovar a contrarreforma da previdência, além da enorme oposição social e política.

Desde o início da discussão, no âmbito da dura repressão que ocorreu durante a tarde de segunda-feira, os diferentes blocos do partido no poder insistiram em suspender a sessão, eliminando o item da agenda ou fazendo a discussão da reforma da previdência retornar à comissão. O oficialismo, com o aval do Bloco Justicialista, votou em cada uma dessas ocasiões contra.

Precisamente, a colaboração do peronismo agrupada no Interbloco Argentina Federal foi fundamental para alcançar esse apoio. Na sexta-feira, um dia depois da sessão que foi criada no meio de um escândalo pela repressão fora das instalações, essa força política deu aprovação ao projeto.

A moeda de troca para terminar de fechar esse suporte e garantir que não existissem fissuras nas fileiras internas do Cambiemos, foi a decisão de conceder um bônus compensatório, que não atinge o total das pessoas afetadas pela modificação do cálculo da mobilidade.

Além disso, como foi denunciado por vários setores, é uma modesta compensação em relação ao que é extraído dos fundos Anses. Enquanto o produto cortado da norma estabelece uma perda estimada em cerca de US $ 100.000 milhões, o bônus dificilmente implica um "retorno" de US $ 4.000.

O endosso dos governadores peronistas era central. Eles exerceram fortes pressões sobre os deputados de suas próprias províncias. Nesta segunda-feira, vários deles se encontraram com Emilio Monzó (presidente da Câmara dos Deputados) para expressar seu apoio à contrarreforma.

Neste contexto, a CGT chamou uma greve tardia e limitada, sem preparação, que não permitiu que os trabalhadores usassem isso para enfrentar este ataque e serem capazes de vencê-lo.

Durante todo o dia, a enorme rejeição à reforma foi evidente. À importante mobilização que aconteceu durante a tarde, se somaram, após a repressão, enormes cortes de ruas que se originaram em muitos bairros da cidade de Buenos Aires, mas encontraram eco em cidades como Rosário, Córdoba ou Mendoza. Cerca de 2 da manhã, milhares de pessoas ainda estavam nas proximidades do Congresso Nacional.

Tradução: Douglas Silva




Comentários

Comentar