Sociedade

Reforma Tributária de Bolsonaro irá dificultar acesso a livros com aumento de impostos

A proposta de reforma tributária apresentada pelo governo prevê uma cobrança de 12% a mais de imposto para setor de livros.

sexta-feira 14 de agosto| Edição do dia

Segundo a lei 10.865, aprovada em 2004, no caso das contribuições como o Pis/Pasep e o Cofins, o setor não paga impostos e é protegido dessa cobrança pela Constituição Federal. Algo que a proposta de reforma tributária faz é com que essa isenção pare de existir, o que claro, aumentará o preço dos livros para o consumidor e dificultará ainda mais o acesso à leitura e educação.

O projeto de Bolsonaro para a educação como um todo, sendo ele negacionista e reacionário, é a destruição da mesma, que é o que indica os diversos cortes em seu governo e o recente anúncio de 18% do corte da verba orçamentária para o ano que vem. O mercado de livros já vinha com diversas dificuldades, estas que foram agravadas com a pandemia do coronavirus, com a aprovação desta nova taxação e com a já precarização e diminuição da qualidade de vida de boa parte da população, como consequência da crise, a tendência é que cada vez mais pessoas parem de comprar livros.

Para o presidente da república, a defesa do armamento dos setores médios é um ponto programático importante desde sua campanha. No começo de junho, Bolsonaro afirmou que aguarda somente ter maioria no congresso para aprovar o porte de armas.

Dentre os vários ataques que estão colocados com a reforma tributária, que acabaria por cobrar ainda mais impostos dos mais pobres, enquanto cobraria menos dos mais ricos proporcionalmente, este imposto sobre livros serviria como cereja do bolo.




Tópicos relacionados

Reforma Tributária   /    Governo Bolsonaro   /    Sociedade   /    Literatura   /    Política

Comentários

Comentar