Mundo Operário

REFORMA TRABALHISTA

Rede de supermercados do Ceará pagará R$115 por mês para trabalhadores intermitentes superexplorados

O Supermercado Centerbox, em Fortaleza (CE), anunciou 50 vagas de "caixa intermitente" para trabalhar 4h por dia durante 6 dias no mês, ganhando apenas R$4,81 por hora trabalhada.

André Augusto

Natal | @AcierAndy

sexta-feira 24 de novembro| Edição do dia

Se aproveitando cinicamente do brutal ataque aos trabalhadores com a reforma trabalhista, ofereceu uma "grande oportunidade": tentar viver com salário mensal de R$ 115 ao mês. Essa oferta é parte do contrato intermitente, em que o trabalhador só recebe pelas horas trabalhadas, sem importar todas as horas que precisa estar disponível ao patrão.

O Centerbox, oferecendo 50 vagas intermitentes com salário de R$ 4,81 por hora, gastaria apenas R$ 5770 para contratar os 50 funcionários mensalmente, aumentando largamente sua margem e lucro.

Dentre as informações da vaga constam também que a alimentação se daria dentro da empresa. O anúncio não faz nenhuma menção ao vale transporte. Ou seja, o trabalhador teria que literalmente pagar para trabalhar caso tenha que pegar transporte da sua residência para o trabalho.

O Supermercado alega claramente que está anunciando essa vaga em adesão à Reforma Trabalhista, cinicamente dizendo que busca através dessas contratações reduzir o índice de desemprego e gerar renda no mercado de trabalho cearense.

Veja o post do anúncio:

O contrato intermitente tende a virar uma epidemia, como denunciamos no Esquerda Diário. O Magazine Luiza, uma das maiores lojas de varejo do país, ja busca superexplorar o trabalho intermitente.

O valor por hora trabalhada oferecido pela Magazine Luiza: R$4,50, (sem direito a Transporte, Almoço, Férias, 13º). Essa é a "inovação trabalhista" digna do século XIX que a patronal está ensaiando junto ao governo golpista de Temer (nunca é demasiado lembrar: essa direita que ataca os trabalhadores teve seu caminho pavimentado pelo próprio PT, que aplicou ajustes e incrementou a precarização do trabalho).

Já a rede de franquias Sá Cavalcante (dos restaurantes Bob’s, Spoleto, Balada Mix e Choe’s Oriental Gourmet), que denunciamos no Esquerda Diário, está oferecendo vagas em restaurantes, comuns em shopping, com salário de R$4,45 por hora, com carga mínima de 5 horas de trabalho aos sábados e domingos (dias de maior movimento nos shoppings).

Esse tipo de brutalidade contra a vida de milhões de trabalhadores foi parte da reforma trabalhista do governo golpista, contra a qual as centrais sindicais como a CUT e a CTB (ligadas ao PT e ao PCdoB) não moveram um dedo, dando como presente de Natal para os empresários empresários vida daqueles que terão de se escravizar a vários patrões para sobreviver.

É preciso organizar a resistência em cada local de trabalho contra essa orquestra infernal da reforma trabalhista, um ataque gigantesco às condições de vida de milhões de pessoas. Exigir das centrais sindicais que parem de silenciara vontade de lutar dos trabalhadores e coloquem todo seu aparato material para a luta contra o governo. Não podemos admitir que as vidas de nossos familiares, amigos, filhos e netos esteja nas mãos dos capitalistas que querem fazer com que deixemos nossas vidas no trabalho.

Não ao "emprego" intermitente! Abaixo a Reforma Trabalhista que possibilita esse tipo de "trabalho" em condições análogas à escravidão!




Tópicos relacionados

Reforma Trabalhista   /    Trabalho Precário   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar