Política

POLÍTICA

Reacionário ministro Barroso toma posse amanhã da presidência do TSE, em cerimônia virtual

Luís Roberto Barroso, ministro do STF, foi eleito em votação virtual, como o novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com mandato até 2022. Tendo como principal tarefa, no momento, a organização das eleições para prefeitos, ainda neste ano.

domingo 24 de maio| Edição do dia

Vale relembrar um pouco de sua trajetória, em que cumpriu um excelente papel na defesa de pautas da direita. Em 2018, além de grande defensor da Lava Jato, também foi um dos relatores do processo de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que acarretou em seu indeferimento. O próprio declarou que o processo aconteceu rapidamente, bem diferente de toda a conhecida morosidade da justiça brasileira. Sem a candidatura de Lula, a população não teve nem esse direito mínimo, de escolher em quem votar.

Ainda como modelo de seu reacionarismo, Barroso também foi o relator do processo que autorizava o homeschooling, ou o estudo domiciliar, para que crianças e adolescentes fossem educados em casa, sem frequentar as escolas; além de ter se posicionado favoravelmente ao ensino religioso nas escolas, praticamente ignorando o fato de o Estado ser laico.

Barroso toma posse do cargo com a proposta de manutenção das eleições para prefeito no final do ano, atrasando, no máximo, em alguns dias os primeiro e segundo turnos, tudo isso em plena pandemia com casos de contágio e de mortes crescentes (mais de 22 mil).

Sem nenhuma esperança nesse judiciário e nem nas eleições dentro do direito burguês, é preciso que a resposta à crise sanitária e econômica não seja dada por essas instituições, e sim pelas trabalhadoras e trabalhadores organizados. É urgente a bandeira de fora Bolsonaro Mourão e militares, sem nenhuma confiança no STF, golpistas e governadores que seguem atuando para que sejam os trabalhadores a pagar pela crise que eles mesmo geraram.




Tópicos relacionados

Crise do Coronavírus   /    Governo Bolsonaro   /    TSE   /    Crise no governo   /    Política

Comentários

Comentar