Gênero e sexualidade

FEMINICÍDIO

Raphaella, morta a tiros, é vítima de feminicídio dentro da sua escola em Goiás

A estudante Raphaella Novinski, de 16 anos, foi morta pelo ódio dentro da escola estadual em Alexânia, no Entorno do Distrito Federal, na manhã desta segunda-feira (6).

segunda-feira 6 de novembro| Edição do dia

Misael Pereira Olair, de 19 anos, foi preso em flagrante logo após disparar 11 vezes contra a adolescente. Conforme a delegada Rafaela Azzi, o rapaz alegou ter cometido o crime por simplesmente “sentir ódio” de Raphaella. Ele é um ex-aluno do Colégio Estadual 13 de Maio, local onde a estudante do 9º ano foi feita mais uma vítima de feminicídio.

"Ele alega que é conhecido ’de longa data’ da vítima, e que sentia muito ódio da menina. A partir do depoimento dele entendemos que ele tentou namorar com ela, mas foi rejeitado. Por conta disto resolveu comprar uma arma, adentrar na escola onde ela estava e ceifar a vida dela", disse a delegada ao portal G1.

Ela foi a única alvejada, por um único motivo: ser uma mulher que fez a escolha de não namorar seu assassino, que dedicou 11 balas de puro ódio e misoginia.

Diana Assunção, fundadora do grupo de mulheres Pão e Rosas no Brasil, declarou ao Esquerda Diário: "É com muita tristeza que li a notícia de Raphaella. Mais uma mulher foi vítima fatal do ódio machista, em um país onde querem tirar o crime de feminicídio do código penal. Assim como o estupro, esse acontecimento mostra a violência que as mulheres estão submetidas no capitalismo. Há dois dias, Kelly Cristina havia sido vítima do mesmo tipo de violência. Nós mulheres não nos calaremos, nem uma mulher a menos! Basta de mulheres mortas pelo machismo e o capitalismo!"

Veja também:

Por Kelly Cristina Cadamuro gritamos: nenhuma a menos

Circula no Senado consulta para retirar o feminicídio do código penal




Tópicos relacionados

Pão e Rosas   /    Feminicídio   /    #NemUmaMenos   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar