Educação

RACISMO NA PREFEITURA DO RIO

"Quero que as raças se fodam" diz Secretário da Educação do Rio no dia da Consciência Negra

Carolina Cacau

Foi candidata a vereadora do MRT pelo PSOL em 2016, é estudante da UERJ, membro do Centro Acadêmico de Serviço Social e professora da rede estadual

Ronaldo Filho

Professor da rede estadual do RJ

terça-feira 21 de novembro| Edição do dia

Em uma postagem absurda em seu perfil no Facebook, o secretário municipal da educação do Rio, Cesar Benjamin, destilou seu ódio contra o dia da consciência negra. Em uma atitude bastante exemplar da "democracia racial", dizendo ser contra a "racialização do Brasil", defendendo a "conquista" do conceito de "povo brasileiro", Benjamin tenta esconder, mas acaba escancarando, seu racismo e a postura característica da classe dominante brasileira.

Para ilustrar sua posição ele faz indiretas às denúncias de racismo de Taís Araújo, que falou publicamente sobre o racismo que seu filho - mesmo sendo pertencente a uma quase inexistente parcela de negros com situação econômica privilegiada no Brasil - sofre também. Para desqualificar a denúncia dela, diz que ela e seu filho são "lindos e cheirosos" e afirma que a sua queixa contra o racismo é uma "idiotice" que as pessoas replicam.

Seguindo seu desfile de absurdos, Benjamin diz que "Quero que as raças se fodam".

E passa a tentar fazer seus malabarismos teóricos simplesmente nojentos para esconder uma das mais grotescas manifestações do racismo no país: o das prisões superlotadas de negros - muitos dos quais que sequer passaram por julgamento.

LEIA TAMBÉM
- "Essa histeria tem que ser contida", afirma Benjamin sobre luta contra racismo
- O racismo das idiotices "histéricas" de Cesar Benjamin, Secretário de Educação de Crivella
- Conheça Cesar Benjamin, secretário racista de Crivella que persegue os professores

Procurando retomar conceitos que a burguesia brasileira sempre tentou disseminar para camuflar seu racismo, ele afirma que nas cadeias, no tempo em que esteve preso em Bangu "Os negros eram uma pequena minoria", tal como os brancos, e a maioria era de "morenos". O que Benjamin finge não saber é que é essa massa de "morenos" que são os negros de nosso país, que sofrem o racismo cotidiano não apenas nas mãos da polícia e do sistema penal, mas com os piores empregos e salários, com discriminação em cada aspecto da sua vida. Se Benjamin finge não saber quem são os negros no Brasil, a polícia e os patrões sabem exatamente quem são, e os discriminam a todo momento.

É um escândalo, um absurdo inadmissível, que na cidade que abrigou o porto onde mais se receberam negros escravizados trazidos da África em todo o mundo, o secretário da educação diga impunemente tamanhos absurdos racistas. Lembremos que seu chefe, o prefeito Crivella, tem também no currículo diversas manifestações de racismo, como o livro que escreveu insultando de forma absurda as religiões africanas.

Repudiamos com todas as forças essa declaração de Benjamin, e todo o racismo que ela representa e que é parte do DNA do Estado brasileiro.

Veja abaixo a postagem de Benjamin na íntegra:




Tópicos relacionados

negras e negros   /    Marcelo Crivella   /    Dia Nacional da Consciência Negra   /    Questão Negra   /    Racismo   /    Educação   /    Rio de Janeiro   /    Negr@s   /    Política

Comentários

Comentar