Internacional

França

Quem são os "coletes amarelos" que estão assustando ao governo da França

A coluna internacional de "El Círculo Rojo", um programa do La Izquierda Diario na Radio con Vos, revisa as questões chaves para entender a situação na França.

terça-feira 4 de dezembro| Edição do dia

Em sua coluna, Diego Sacchi analisa quem são e por que mobilizam os "coletes amarelos" que tomaram Paris no segundo sábado seguido.

A "cidade da luz" foi iluminada pelo fogo das barricadas em torno do Arco do Triunfo e Champs Elyssés, uma das principais avenidas de Paris, que marca uma mudança com os protestos ocorrem desde o maio francês de 68 e nos anteriores, que as batalhas como aquelas que foram vistas não aconteceram em áreas tão importantes.

Durante várias horas os órgãos especiais da polícia francesa tiveram que recuar diante da resistência contra a repressão dos "coletes amarelos", que novamente se mobilizaram em Paris e nas principais cidades do país, o que começou como uma demanda conta o aumento de combustível que foi imposto Macron, mas que já começa a expressar exigências que vão além das iniciais.

Quem são os coletes amarelos?

Eles são conhecidos como "coletes amarelos" porque decidiram usar as roupas fosforescentes que cada motorista francês deveria usar em caso de incidente em uma estrada, para se identificarem nas manifestações.

O movimento é formado principalmente pela classe trabalhadora branca empobrecida, produto da relativa desindustrialização da França desde 1980. A globalização, com a relocalização em outros países de parte da indústria francesa está fazendo que setores da classe trabalhadora francesa estejam se pauperizando.

Esses trabalhadores estão junto com os setores médios como profissões independentes e, em menor escala, pequenos empregadores, ou seja, setores que formam, poderíamos dizer, uma classe média empobrecida que compõe esse movimento que tem um detalhe muito importante: existe uma imprevisibilidade desse movimento porque surge sem contenção dos partidos políticos tradicionais.

Neste domingo, o presidente francês Macron retornou a Paris e visitou a área dos confrontos na Champs Elyssés e fez uma ordem ao primeiro-ministro francês para se reunir com os setores que representam os "coletes amarelos". Antes dessa possível reunião, um setor dos manifestantes solicitou que fosse transmitido ao vivo no Facebook.

O que não está claro é que o governo pode propor para acalmar as mobilizações sem ser um retrocesso em seu plano de reforma mais amplo contra os trabalhadores, reformas que foram elogiadas pelo presidente argentino quando disse durante a cúpula do G20 que a reforma trabalhista francesa é um exemplo a seguir na Argentina. O plano geral de Macron tem favorecido os ricos enquanto atacam os direitos dos trabalhadores, aposentados, educação, etc.

Até onde o movimento e as mobilizações podem ir

A primeira coisa a definir é que é um movimento policlasista, com um grande componente de trabalhadores brancos do interior da França, que têm demandas que agora são direcionadas centralmente contra o governo. Alguns analistas comparam o movimento com a greve dos caminhoneiros no Brasil, que foi liderada por setores dos empregadores de transporte, no caso da França isso não é o caso.

O outro ponto é onde o movimento pode ir. Alguns jornais e analistas insistem que ele poderia decantar em um movimento semelhante ao M5S (Movimento Cinco Estrelas) da Itália, que é chamado de "direita populista". É uma possibilidade que não pode ser negada, mas depende de como o movimento se desenvolve.

Hoje, o que marca a "agenda" dos coletes amarelos é a mobilização, é um movimento ativo que desperta a solidariedade, como pode ser visto com os estudantes que liberaram pedágios em apoio à reivindicação. Essa simpatia e solidariedade que despertam as demandas dos "coletes amarelos" é mostrada no apoio de 80% da população, o que mostra que é difícil que o movimento saia da rua agora.

Por outro lado, também é difícil para Macron retroceder rapidamente das medidas que tomou sem se danificar.

Nesse sentido, a situação ainda está em aberto e há um papel muito importante para os dirigentes sindicais para que a mobilização não avance. Isso foi ilustrado no sábado: enquanto houve mobilização e resistência à repressão policial pelos "coletes amarelos", a direção da CGT convocou um evento em outra área de Paris e em nenhum momento se propôs coordenar as manifestações.

O importante a notar é que estes eventos e cenas que foram vistos em Paris e significa um golpe para Macron, que se apresenta como um governo forte que veio após a crise do Partido Socialista e os partidos tradicionais franceses, e começa a mostrar uma mudança na situação francesa.

Ver também: França: Coletes Amarelos e os elementos pré-revolucionários da situação




Tópicos relacionados

coletes amarelos   /    Emmanuel Macron   /    Internacional

Comentários

Comentar