Internacional

IRÃ

Quem é o sucessor de Soleimani no Irã?

O Líder Supremo Iraniano Khamenei nomeou Esmail Qaani como substituto de Qassim Soleimani, poucas horas após o seu assassinato na sexta-feira. Numa situação de máxima tensão entre os EUA e o Irã, ele assume uma linha dura militar.

sábado 4 de janeiro| Edição do dia

Após o assassinato, na sexta-feira, de um comboio que transportava Qassim Soleimani, o Irã deve preencher o vazio na cabeça de seu exército em uma situação de máxima tensão com os Estados Unidos. O aventureirismo de Trump parece estar cedendo a ala dos falcões de combinar uma estratégia de asfixia econômica feroz com ataques militares seletivos para forçar o regime teocrático a abandonar suas ambições expansionistas e seu plano nuclear. É neste marco que Esmail Qaani, um militar de linha dura, tomará o lugar de Qassim Soleimani.

O novo chefe da Força Quds do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC-QF, na sigla em inglês) tem a enorme tarefa de substituir a figura mais importante do Exército Iraniano. Soleimani, que foi morto pelo bombardeio americano ao comboio que o transportava do aeroporto de Bagdá, era um indivíduo de alto nível, com enorme influência ideológica e carismática, que o tornou muito popular, sendo assim projetado como um possível sucessor do atual presidente Hassan Rouhani.

A unidade militar, Force Quds, supervisiona e/ou faz a ligação com várias organizações paraestatais ligadas às operações do Irã em todo o Oriente Médio, incluindo o Hezbollah no Líbano, os Houthis no Iêmen ou as Forças de Mobilização do Povo (Hashd al Shaabi) no Iraque. Entre outras tarefas, é responsável pela formação de um corredor étnico-religioso xiita relacionado com a Revolução Islâmica Iraniana, tentando reconfigurar, desde a invasão norte-americana do Iraque, a composição étnica entre o país persa e o Mediterrâneo. Desta forma, sua missão é estender política, ideológica e militarmente a influência do Irã. Um trabalho que Soleimani foi capaz de desenvolver com perfeição.

Esmail Qaani, 62 anos, é um reconhecido líder militar com experiência operacional diferenciada no campo de batalha e uma longa história no IRGC como parte de várias unidades. Ele participou com Suleimani na Guerra Iraque-Irã entre 1980 e 1988, onde acabou como comandante da Quinta Divisão Nasr. Uma guerra em que pereceram mais de 1 milhão de pessoas confrontando sunitas e xiitas (os dois principais ramos do Islão) de ambos os países. Qaani fez parte da repressão violenta das revoltas sociais em 1992. Durante a década de 90, ele se dedicou a enfrentar diferentes organizações islâmicas radicais e cartéis de tráfico de drogas do Afeganistão. Por esta razão foi nomeado chefe do Corpo de Guarda que operava na Ásia Central, Afeganistão e Paquistão.

Assim, ao anunciar Esmail Qaani, o líder supremo iraniano Ali Khamenei disse que "tem sido um dos mais proeminentes comandantes da Santa Defesa e tem servido na Força Quds com o comandante mártir [Qassem Suleimani] na área por muitos anos".

As intervenções militares no Afeganistão e no Iraque pelos EUA em 2001 e 2003 libertaram o cerco de inimigos que continham as aspirações expansionistas do Irão. Por um lado, os confrontos com os talibãs e, por outro, com Saddam Hussein desde a Revolução Islâmica.

Qaani é menos popular que Suleimani, já que este último tinha uma presença maior nos meios de comunicação, por ser encarregado da propaganda iraniana e liderou a campanha militar que derrotou o Estado islâmico em grande parte do território sírio e iraquiano, e também se perfilou como um político reconhecido. No entanto, Qaani desempenhou um papel importante na coordenação de Liwa Al Fatimioun, uma divisão das milícias xiitas afegãs na Síria e no Iêmen que foi formada pelo Irã em 2014. Na Síria, eles lutaram em nome do regime de Assad, enquanto no Iêmen, eles lutaram ao lado dos Houthis. Esta divisão foi responsável pela limpeza étnica dos sunitas na Síria e no Iraque, mantendo a linha sectária e ideológica de Suleimani e Qaani (xiitas).

Qaani é há muito um personagem próximo do Líder Supremo Khamenei, que o manteve como substituto de Suleimani no caso de ele concorrer à presidência. Ele não esperou muito para fazer a sua primeira declaração. Segundo a Al Jazeera, Qaani emitiu uma ameaça devastadora na sexta-feira: "Sejam pacientes e vocês verão os corpos dos americanos em todo o Oriente Médio".

Nas palavras do Líder Supremo Khamenei, a agenda da Força Quds "não mudará desde o tempo do seu predecessor". Desta forma, o novo chefe Esmail Qaani, torna-se o principal alvo dos Estados Unidos e de Israel como líder da extensa rede de grupos paramilitares aliados a Teerã no Oriente Médio, num momento em que os EUA destacaram 3.000 soldados no Kuwait e realizaram novos bombardeios na madrugada de sábado horas após matar o considerado herói nacional.

A agressão imperialista dos EUA contra o Irã data do golpe de 1953 da CIA contra Mossadegh, que havia nacionalizado o petróleo, com grande apoio popular. Nessa ocasião, a agência de inteligência jogou a favor do Xá da Pérsia. Ao longo dos anos, as intervenções militares dos Estados Unidos nada mais fizeram do que liquidar os processos de massa contra seus próprios governos, foi o que aconteceu na Síria, na Líbia na primavera árabe causando guerras civis que ainda não terminaram, e hoje essa nova agressão pode fortalecer o regime dos aiatolás para esmagar ou desviar o processo da juventude que começou a questioná-los no Líbano, no Iraque e no próprio Irã, apoiando-se no legítimo sentimento antiamericano. As perspectivas ainda são imprevisíveis, nenhum país quer guerra, mas qualquer erro de cálculo pode ter consequências catastróficas.




Tópicos relacionados

Imperialismo   /    Irã   /    Oriente Médio   /    Internacional

Comentários

Comentar