Internacional

PEPSICO ARGENTINA

“Que vergonha de Vidal, reprimir as operárias que estão defendendo seu direito ao pão”.

A brutal repressão em PepsiCo é em uma fábrica em que a maioria são mulheres, que sustentam seus lares. Trabalhadoras e trabalhadores resistem. Este é uma das suas palavras de ordem contra a governadora que ordenou o despejo.

quinta-feira 13 de julho| Edição do dia

Neste momento, os trabalhadores e trabalhadoras de PepsiCo estão resistindo ao despejo. Guarda Civil e Polícia de Buenos Aires reprimem a favor da multinacional norte americana com balas de borracha, gases e cassetetes.

Os trabalhadores resistem desde cima, enquanto são apoiados por operários de outros setores, estudantes, organizações de direitos humanos e partidos de esquerda.

Um grito de denúncia se sente forte: “Que vergonha de Vidal, reprimir as operárias que estão defendendo seu direito ao pão”.

É que a governadora, para além de suas frases bonitas e imagem marqueteira, mostra hoje sua cara mais brutal: junto com Macri, uma “equipe” em defes dos grandes capitais que deixa milhares de famílias na rua, se for necessário, mediante a repressão.

Os operários e operárias de PepsiCo já são um exemplo de luta para toda classe trabalhadora que quer enfrentar o ajuste. A CGT segue apontando para outro lado, e por isso hoje também na PepsiCo se escutaram palavras de ordem de exigência a paralisação nacional.




Tópicos relacionados

PepsiCo   /    Mulheres   /    Internacional

Comentários

Comentar