Teoria

ITÁLIA

Quando as massas italianas derrotaram o fascismo

Já se passaram 75 anos desde a libertação da ocupação nazista das cidades do norte da Itália pelas mãos do heróica resistência operária e camponesa.

Paula Schaller

Licenciada en Historia-UNC

domingo 26 de abril| Edição do dia

Após décadas de fascismo, suportando enormes dificuldades causadas pela guerra e após 2 anos de ocupação anglo-americana e alemã, o povo italiano conquistou sua liberdade e expulsou o invasor nazista por seus próprios meios. Sem dúvida, a enorme e generalizada resistência italiana, que conseguiu formar uma milícia de mais de 300.000 combatentes que lutaram por sua liberdade e motorizou um profundo processo de auto-organização para as massas trabalhadoras e camponesas, aparece como uma das grandes exemplos revolucionários da história. Acreditamos que o melhor tributo a esses combatentes não é apenas recuperar a magnitude histórica desse processo - superando as histórias que reduzem sua luta à luta para estabelecer o tipo de governo entre dois regimes políticos, totalitarismo e democracia; mas tentar tirar conclusões políticas de seus limites, avançando em lições úteis para a ação revolucionária do presente.

Revolução e contra-revolução na Itália

A participação italiana na Segunda Guerra Mundial atuou como um poderoso acelerador das contradições sociais no país. Além do regime político opressivo, as dificuldades e sofrimentos típicos da guerra que levaram o país a uma situação de aguda crise econômico-social, como ocorrera no final da Primeira Guerra Mundial com o processo que levou à formação de conselhos de fábrica em Turim. Assim, a partir de 1942, a luta antifascista foi reativada nas cidades industriais do norte, que durante anos foram reduzidas a pequenas células clandestinas com pouca capacidade de ação. É assim que o historiador Toynbee o descreve: “o racionamento e os ataques aéreos (...) serviram para demonstrar a incompetência e a corrupção do regime. Desde o início de 1942, isto é, muito antes do inverno decisivo de 1942-1943, enquanto o público comum se arrependia passivamente da guerra, grupos ativos da oposição começaram a se organizar. (...) Em Turim e Milão, as células comunistas sobreviveram durante o período fascista. Os fracassos italianos e a resistência russa permitiram o crescimento dessas células e restabeleceram antigos laços com os socialistas, especialmente em Milão e Gênova. O centro da resistência comunista continuou sendo a fábrica de carros FIAT de Turim.” [1]

Essa resistência deu um salto após a Batalha de Stalingrado, que não apenas impôs uma nova relação de forças no nível militar como resultado da primeira derrota alemã pelo Exército Vermelho, mas uma mudança na correlação de forças entre as classes, abrindo um período de luta de massas em quase toda a Europa ocupada. Na Itália, isso significou em março de 1943 a eclosão de um grande movimento de greve que envolveu mais de 100.000 trabalhadores nas cidades de Turim, Milão e Gênova [2].

Começou na fábrica de Mirafiori, nas oficinas da FIAT em Turim, onde os trabalhadores exigiam que as promessas de compensação fossem cumpridas aos trabalhadores feridos pelos bombardeios ou que, por causa deles, ficaram desempregados: “foram distribuídos folhetos pedindo pão, paz e liberdade. (…) Em 19 de março, começaram a se espalhar greves nas oficinas das fábricas de Caproni, em Milão e Breda, bem como nas fábricas da Pirelli. Quando Mussolini e Bastianini [3] foram a Salszburg em abril, Bastianini conversou com Ribbentrop [4] sobre os ataques em Turim e Milão como uma das razões pelas quais a Itália não pôde continuar a guerra. Foi a primeira vez que a Axis Europe testemunhou uma manifestação formidável dos trabalhadores dirigida contra seus governantes.” [5]

Foi nesse contexto de derrota alemã em Stalingrado, ascensão da luta de classes e desembarque das tropas inglesas e americanas na Sicília em julho de 1943, que a burguesia italiana resolveu "se livrar" de Mussolini e apostar na substituição dos principais quadros políticos, demitindo-o no mesmo mês para substituí-lo por Badoglio, seu ex-marechal, na tentativa de "manter o fascismo sem Mussolini". A visão liberal tendia a apresentar a queda de Mussolini como produto de uma crise "nas alturas", conforme expresso por Henri Bernard, militar inglês e estudante da resistência européia: "A revolução de julho veio de cima e não de cidade. Foi a consequência direta da derrota militar. Mussolini caiu no desastre, abandonado até pela maioria de seus colaboradores.” [6]

Pelo contrário, como explica Fernando Claudín, essa política tinha um objetivo claramente preventivo de conter a emergência de uma solução revolucionária para a crise do regime aberto. De fato, a extensão da luta dos trabalhadores impressionou não apenas os líderes fascistas, mas toda a burguesia italiana: “todos eles viram o espectro proletário renascer em ataques, um inimigo muito mais perigoso que os adversários do outro lado do campo de batalha. Com essas greves, a burguesia entende que o regime fascista é incapaz de conter a raiva dos trabalhadores e está preparando sua substituição e a reorganização de suas forças democráticas." [7]

Essa natureza preventiva do governo se manifestou na política repressiva que implantou assim que foi estabelecida: “todo movimento deve ser inexoravelmente esmagado de sua origem […] as tropas atuarão em formação de combate, abrindo fogo à distância, mesmo com morteiros e artilharia, sem aviso prévio, como se estivessem procedendo contra o inimigo” [8] foi dito em uma declaração. Mas, apesar da repressão do regime, que matou 100 trabalhadores em pouco mais de um mês, enquanto mais de 2000 foram presos [9], um estado pré-insurrecional começou a surgir no norte do país, com greves já em andamento. Na época, eles não apenas levantaram demandas econômicas diante da deterioração catastrófica das condições de vida, mas também exigiram a libertação de presos políticos e o fim da guerra. A situação piorou após o armistício com os aliados anunciados por Badoglio em setembro, o que alimentou a invasão alemã no centro e no norte da península. Seguindo o historiador italiano Enzo Traverso, poderíamos dizer que, neste momento, o Estado italiano "entrou em colapso", deixando de existir uma autoridade política centralizada e um exército, a burguesia italiana perdendo o controle militar do país. Nesse contexto, e diante da atual crise de dominação burguesa, o governo de Badoglio não conseguiu resistir ao avanço da invasão alemã, refugiando-se junto ao rei do sul sob a proteção das tropas aliadas e deixando-o à disposição do exército alemão luta contra o movimento antifascista: “em 9 de setembro, após anunciar o armistício secretamente concluído com os aliados, o rei e a família real, o marechal e uma procissão distinta de generais e oficiais, fugia de Roma, sem ter que tomou a menor medida de defesa contra invasores. E um mês se passará sem Badoglio declarar guerra à Alemanha. Finalmente, o fará em 13 de outubro, sob pressão do Alto Comando Aliado.” [10]

Embora algumas divisões isoladas tenham lutado contra a invasão alemã que avançou para Roma em 9 de setembro, a defesa frustrada estava a cargo do povo romano que resistia praticamente apenas em Porta San Paolo, e isso porque o grupo de chefes do Exército e os oficiais assumiram, como o novo governo, uma posição absolutamente derrotista. [11]

Crise orgânica e situação revolucionária

Essa atitude derrotista da burguesia italiana, que nos permite medir a enorme dimensão de classe de sua noção de patriotismo, preferindo deixar-se invadir sem resistência, em vez de mobilizar suas tropas (não falemos de convocar trabalhadores e camponeses a lutar) é por si só uma amostra significativa do grande estado de crise da dominação existente. Nesse sentido, consideramos que o conceito gramsciano de crise orgânica é útil para traduzir essa experiência, pois nos permite ler as características de uma crise que não é apenas econômico-social, mas hegemônica, onde é questionado o Estado como um todo: “Em um certo momento de sua vida histórica, os grupos sociais se separam de seus partidos tradicionais. Isso significa que os partidos tradicionais, com a forma de organização que apresentam, com os homens específicos que os constituem, os representam e os dirigem, não são mais reconhecidos como expressão de sua classe ou de uma fração dela. Quando essas crises se manifestam, a situação imediata se torna delicada e perigosa, porque o terreno é propício para soluções de força, para a atividade de poderes das ocultas, representados por homens providenciais ou carismáticos. (…) (Produzindo a) crise da hegemonia da classe dominante, produzida ou porque a classe dominante fracassou em algum grande empreendimento político próprio em que solicitou ou impôs à força o consenso das grandes massas (como em no caso de uma guerra) ou porque vastas massas (...) passaram repentinamente da passividade política para uma determinada atividade e suscitam demandas que, em seu conjunto inorgânico, constituem uma revolução. Fala-se em "crise de autoridade" e esta é precisamente a crise da hegemonia, ou a crise do Estado como um todo". [12]

A crise que desencadeou a queda do governo de Mussolini e sua substituição pelo marechal Badoglio mostrou que, longe de ser uma conjuntura, uma "crise parlamentar" ligada ao questionamento de setores específicos da equipe de liderança era orgânica, uma profunda crise de dominação na qual produto da derrota italiana na grande companhia da guerra, que exacerbara as penúrias das massas, desencadeou-se uma crescente intervenção da luta operária que, combinada à ação militar de amplos estratos sociais, pôs em cheque a ordem política e social vigente. Desde julho de 1943, nenhum setor da burguesia italiana conseguiu impor sua própria vontade às massas, capaz de estabelecer um governo que suscitasse um consenso social. Pelo contrário, a burguesia recorreu a soluções de última hora, como a substituição de Mussolini e a mudança de lados na guerra, que falharam em aplacar o estado da crescente luta de classes. Bernard salienta que, no contexto da invasão aliada da Sicília - e da crescente onda de greves dos trabalhadores no norte, acrescentamos aqui - a burguesia italiana foi dividida em três alas, que por seus programas resumiremos em duas: por um lado, uma ala dos liberais representados por setores militantes antifascistas, liderados pelo ex-primeiro ministro Ivanoe Bonomi, que estavam lutando para substituir Duce por Bodoglio, romper as relações com a Alemanha e iniciar negociações com os aliados; e outro setor representado por importantes membros do Partido Fascista, como o ministro das Relações Exteriores Galeazzo Ciano, que estava lutando para regenerar o partido, mantendo os elementos essenciais do regime político. [13]

Embora parecesse simplesmente que o primeiro lado burguês conseguiu impor sua própria saída, isso não encerrou a situação de crise de hegemonia aberta, com um Estado desmembrado cada vez mais incapaz de projetar sua autoridade sobre toda a sociedade. Como Traverso coloca, após a dupla invasão anglo-americana e alemã - a última seguida pela fuga da monarquia e do governo de Badoglio para o sul dominado pelas forças militares aliadas -, a continuidade desse Estado foi simbolicamente preservada pela monarquia, enquanto Mussolini estabeleceu a República Social Italiana, chamou a República de Saló pelo nome de sua capital, sustentada pelas forças alemãs. Assim, "o regime da monarquia e do Saló [não] poderia existir, exceto em virtude da ocupação aliada e alemã, sem verdadeira legitimidade". [14]

Agora, como Gramsci coloca, nem toda crise orgânica leva a uma revolução. Em seu artigo "Análise de situações. As relações de força, diferença entre movimentos orgânicos, movimentos relativamente permanentes e conjunturais, de natureza ocasional e imediata", afirmam com precisão que “o erro que frequentemente cai na análise histórico-política consiste em não saber como encontrar a relação justa entre orgânico e ocasional." [15]

Assim, para que ocorra uma crise orgânica, é necessário que o desmembramento inclua as classes fundamentais, ou seja, a classe dominante, por um lado, e a classe que aspira à liderança do novo sistema hegemônico, por a outra; e para que essa crise termine em uma revolução, é necessário desenvolver uma força que expresse a mudança subjetiva da classe revolucionária: “O elemento decisivo de qualquer situação é a força que é permanentemente organizada e predisposta por um longo tempo. Por exemplo, ela pode avançar quando uma situação é considerada favorável (e é favorável apenas na medida em que essa força exista e seja permeada de ardor combativo). É por isso que é uma tarefa essencial observar sistematicamente e pacientemente formar, desenvolver e tornar essa força cada vez mais homogênea, compacta e autoconsciente.” [16]

Essa análise pondera o elemento político subjetivo da liderança das classes em conflito, como determinante para o estabelecimento de uma revolução. Voltaremos a essa questão mais tarde, mas estamos interessados em apontar que, como demonstraremos neste caso, o peso desse fator como resultado não toma como certo as tendências anteriores que moldaram a situação revolucionária, incluindo o curso da ruptura com o sistema social adotado espontaneamente por setores das massas. Trotsky, analisando a derrota da revolução espanhola, concentrando-se na relação entre a vanguarda proletária e sua liderança política, afirmou que “o caminho da luta seguido pelos trabalhadores seguia sempre a um certo ângulo aquele das lideranças e, nos momentos mais críticos, esse ângulo era de 180º.” Em outras palavras, em certas circunstâncias, as ações tomadas por setores das massas tendem a adquirir uma orientação revolucionária apesar e contra sua própria direção[17], aprofundando uma situação revolucionária que não é resolvida como uma revolução social triunfante.

No cenário italiano, a crise que eclodiu com a derrota dos exércitos ítalo-alemães da frente africana na Tunísia em maio de 1943, seguida pelo desembarque dos Aliados na Sicília em julho do mesmo ano e a subsequente invasão alemã, desmembrou a unidade burguesa entre o lado antifascista, apoiado pelos aliados, e os pró-fascistas, apoiados pelas forças militares alemãs, gerando as fissuras que possibilitaram o surgimento da auto-atividade das massas, tanto econômica quanto politicamente e militarmente. Eles combinaram, portanto, uma profunda crise nacional marcada por derrota militar, catástrofe econômica e dupla invasão; uma profunda crise social e política da burguesia e seu sistema de dominação e a ação cada vez mais independente da classe trabalhadora nas cidades do norte e centro, camponeses e setores da pequena burguesia que se inscreviam na resistência armada; resultando na abertura de uma situação revolucionária.

Luta pela libertação nacional, duplo e guerra civil

Desde novembro de 1943, a luta contra a invasão alemã levou o movimento de massas e a resistência armada a se espalhar no norte. “Em muitas cidades o mesmo cenário foi repetido: Turim, Milão, Roma, Gênova, Bolonha, Florença. Os trabalhadores começaram a se armar, com a cumplicidade tácita dos estratos mais baixos do exército, prontos para arriscar o todo como um todo, não apenas contra a invasão alemã, mas também para a conquista imediata da paz.” [18] O PCI lançou o chamado para integrar a Guarda Nacional para combater a invasão alemã, na qual participaram milhares de trabalhadores das grandes cidades. Como Paolo Spriano relata em sua História do Partido Comunista Italiano, na época, dirigindo-se ao prefeito da cidade para pedir armas, um trabalhador do Breda em Milão disse: “Os alemães tiveram uma derrota decisiva em Stalingrado; nós, trabalhadores, queremos fazer de Milão o Stalingrado da Itália.” [19] E casos como esse se multiplicaram. Diante da inação do governo de Badoglio, as massas tomaram a iniciativa na luta contra a invasão alemã, com a ação armada se tornando cada vez mais importante, tornando-se, nas palavras de Arnold J. Toynbee, “o movimento mais notável de sua classe na Segunda Guerra Mundial." [20]

Fora do governo de Badoglio, foram criados o Comitê de Libertação Nacional (CLN), com sede em Roma, e o Comitê de Libertação Nacional da Alta Itália (CLNAI), com sede em Milão, com o objetivo de coordenar e centralizar ações armadas. Esses comitês, que tinham um conteúdo policlasista por serem formados por partidos burgueses e operários - Partido de Ação (liberal), Partido Comunista, Partido Socialista, Democracia Cristã, entre outros -, centralizaram as ações de resistência armada e acabaram sendo reconhecido tanto pelo governo de Badoglio quanto pelos aliados, uma vez que este último obteve, às custas do Partido Comunista Italiano, a garantia de que após a libertação toda a autoridade lhes seria cedida.

Devido ao grande nível de desarticulação do aparato militar estatal italiano, esses comitês foram chamados a tornar-se, além do conteúdo policlassista e da orientação política de suas direções, em canais de organização de uma resistência operária e camponesa que cresceu espontaneamente, centralmente em as vilas e cidades do norte do país. Nesse sentido, enquanto sua política agia estrategicamente como um freio ao desenvolvimento da revolução, eles eram ao mesmo tempo uma expressão do enorme nível de auto-atividade alcançado pelas massas no campo político-militar e, em muitos casos, isso A contradição levou-os a adquirir uma orientação muito mais radical do que a reivindicada por suas próprias direções.

O Partido Comunista, o Partido Socialista e o Comitê para a Libertação Nacional da Alta Itália (CLNAI) convocaram uma greve geral em meados de 1944 na área ocupada pelos alemães da qual participaram mais de 1 milhão de trabalhadores - sendo a maior greve em toda a Europa ocupada pelos nazistas e atingindo uma extensão de 8 dias em Turim [21]. Assim, "a tradição combativa do proletariado de Turim reapareceu com o máximo vigor após duas décadas de dormência" [22], como descrito por Eduardo Viola. Enquanto isso, o movimento de guerrilha continuou a se desenvolver e chegou a cerca de 100.000 combatentes. Foi assim que Luigi Longo, líder do PCI, descreveu: “devido ao grande tamanho do movimento de massas, em muitas regiões havia de fato uma dualidade de poder: os órgãos das autoridades fascistas, cada vez mais desacreditadas, e os órgãos de poder antifascista, que existia ilegalmente, mas gozava de grande popularidade entre a população. E além dessas regiões onde existia a dualidade de poder, durante todo o período da ocupação nazista havia outras áreas no norte da Itália completamente libertadas das autoridades fascistas, alemãs ou italianas. Eles eram dirigidos por organizações de poder democráticas, eleitas livremente sob a proteção das forças de guerrilha.” [23] De fato, os comitês de libertação aumentaram seu poder nos níveis local e provincial, tomando iniciativas independentes do governo Badoglio que criaram uma situação embrionária de poder dual.

Se para o marxismo a característica fundamental do Estado é o monopólio da violência por parte da classe dominante dentro de um território definido, era exatamente isso que estava sendo questionado com o desenvolvimento dessa dinâmica em andamento, colocando a desnudo questão de qual classe detém o poder.

Isso fora analisado minuciosamente por Trotsky na Revolução de Fevereiro de 1917, que havia iniciado um período de transição do poder dual, quando o governo provisório burguês coexistia com os sovietes dos trabalhadores, camponeses e soldados, levantando a questão de qual classe detinha o poder efetivamente. Segundo Pierre Broué, uma das principais conclusões de Trotsky para a análise das duas grandes revoluções da história, a francesa e a russa, consistiu precisamente na "verificação de que as contradições sociais, no desenvolvimento da revolução, eles estabilizam e desestabilizam na forma de situações de ’duplo poder’ em uma curva ascendente, primeiro, descendo e depois. Em cada caso, a questão da hegemonia entre os dois poderes em conflito é dirigida pela força ou, se preferir, por uma ’guerra civil’, por mais breve que seja." [24]

Será a partir da experiência da revolução russa que Trotsky mergulhará em um esquema de análise teórica do duplo poder como um episódio de transição da dialética de classe em momentos revolucionários: “A mecânica política da revolução consiste na passagem do poder de um para outra classe. (...) Mas não há classe histórica que repentinamente passe de subordinada a dominadora, da noite para o dia, mesmo que esta noite seja a da revolução. É necessário que já às vésperas ele ocupe uma situação de extraordinária independência em relação à classe oficialmente governante; além disso, é necessário que as esperanças das classes e das camadas intermediárias sejam concentradas, insatisfeitas com o que existe, mas incapazes de desempenhar um papel próprio. A preparação histórica da revolução leva, no período pré-revolucionário, a uma situação em que a classe chamada a implantar o novo sistema social, embora ainda não seja dona do país, na verdade reúne em suas mãos uma parte considerável do poder do Estado, enquanto o aparato oficial deste último ainda está nas mãos de seus ex-titulares. É aqui que começa a dualidade de poderes de toda revolução. (...) A dualidade de poderes surge quando as classes adversas já contam com organizações estáveis que são substancialmente incompatíveis entre si e que a cada passo se eliminam na direção do país. A parte do poder correspondente a cada uma das duas classes de luta responde à proporção de forças sociais e ao curso da luta.” [25]

Tomando Trotsky, consideramos que o desenvolvimento do duplo poder é precisamente a expressão do amadurecimento do estado de guerra civil existente na Itália, onde a classe trabalhadora e o campesinato não apenas enfrentaram militarmente o setor minoritário da burguesia italiana, nucleado em torno do projeto neofascista de "A República de Saló", mas, consolidando seu próprio poder, na verdade se opôs abertamente aos interesses da burguesia italiana como um todo, procurando por todos os meios, políticos e militares, conter o surgimento da revolução.

O Partido Comunista Italiano: rumo à unidade nacional

À medida que o duplo-poder avançava como resultado da crescente iniciativa político-militar das massas, uma enorme barreira de contenção começou a ser delineada como resultado da orientação política que o PCI estava adotando.

Desde o final de 1943, longe de empregar uma estratégia de empoderar o incipiente poder operário-camponês, ele estabeleceu uma orientação cujo objetivo era fortalecer o instável poder burguês, promovendo um governo de unidade nacional junto a Badoglio. Assim, ele passou de afirmar que: “seria um erro grave (...), em um sentido oportunista, subestimar a importância do problema da liderança política no complexo de forças em que a classe trabalhadora opera, e que por uma unidade mal entendida aceitar as demandas das forças reacionárias, cujos representantes são Badoglio e a monarquia, que podem ser reconhecidos como uma função auxiliar, mas não diretiva, na luta contra o fascismo e pela libertação nacional ”[26]; a integrar o governo liderado por essas mesmas forças, enfatizando a necessidade de unidade nacional entre as classes. Questão essencial para entender o rumo político adotado por setores das massas, pois, como todos os historiadores do período, inclusive o italiano Aurelio Lepre, apontam “já antes do fim da guerra, o PCI, nem tanto pela quantidade de afiliados, mas pela capacidade de influenciar diretamente de maneira capilar e profunda em vastos estratos da população, tornou-se um grande movimento de massa e contribuiu para criar a realidade política na qual deveria ter se movido no período pós-guerra. ” [27]

Graças à campanha lançada pelo PCI, em abril de 1944 todos os partidos antifascistas entraram no governo presidido pelo ex-marechal fascista - assim como farão após a libertação de Roma com o governo Bonomi. Essa política do PCI, conhecida como "a volta de Salerno", foi promovida por Togliatti, - o principal líder do PCI, recém-chegado à Itália de Moscou - em obediência direta às diretrizes estabelecidas na "Declaração sobre a Itália" emitida no final de 1943, após a Conferência de Moscou dos "três grandes" - URSS, Estados Unidos e Grã-Bretanha - onde foi recomendado que "representantes daqueles setores do povo que sempre se opuseram ao fascismo" fossem incluídos no governo [28] . Essa política tendia a dar legitimidade a um governo enfraquecido como condição prévia necessária para conter o processo revolucionário em andamento. Isso foi claramente expresso por Togliatti em seu primeiro discurso público quando chegou à Itália: “hoje o problema de fazer o que foi feito na Rússia não é apresentado aos trabalhadores italianos (…) devemos garantir ordem e disciplina na retaguarda dos exércitos aliados. ” [29]

A política do PCI foi confrontada com o crescente avanço do duplo-poder, tendendo a canalizá-lo e subordiná-lo à linha do governo e começou a advogar que "os comitês de libertação nacional, em vez de ficarem à margem (sejam) reconhecidos, evitando claramente uma desdobramento de poderes, (...) garantindo a participação ativa de todas as forças democráticas e antifascistas no esforço organizado que o país deve realizar ”[30].Para terminar de algemar a iniciativa dos comitês de libertação e impedir seu desenvolvimento como embriões de futuros instrumentos do poder no pós-guerra, o PCI promoveu a assinatura do Protocolo de Roma entre o CLNAI e o Comando Superior Aliado no Mediterrâneo e, posteriormente, com os representantes do governo Bonomi, no qual foi estabelecido que o CLNAI exerceria todas as funções do governo na parte ocupada do país até a libertação, ao mesmo tempo em que se comprometia a cumprir as instruções dos anglo-americanos no curso da guerra, nomear como líder militar do exército guerrilheiro um ’oficial secreto’ dos aliados e seguir suas diretrizes até a libertação do território. [31]

Foi estritamente baseado na política de conter o avanço do duplo-poder e o aprofundamento do processo revolucionário em andamento que os aliados decidiram, com o acordo do governo italiano integrado pelo PCI, em novembro de 1944, quando Roma já havia sido libertada dos alemães, para paralisar seu avanço e deixar os partisans lutando no norte à sua sorte, permitindo que as tropas de Hitler e mussolineanas se dediquem durante todo o inverno à luta contra a Resistência, como afirma Claudín [32] "O general Alexander, comandante em chefe das forças aliadas, ordenou que os guerrilheiros parassem todas as operações até a primavera, enterrassem suas armas e se dedicassem a ouvir transmissões de rádio do quartel-general dos aliados. O CNLAI e o Estado-Maior do exército guerrilheiro não obedeceram às ordens de Alexander e decidiram continuar a luta." [33]

A política dos aliados, destinada a conter o desenvolvimento do movimento dos partisans, teve precisamente o efeito oposto, pois no momento adquiriu um caráter maciço, com cerca de 300 mil combatentes [34], suas ações independentes tendo um impulso notável. E isso porque ante as múltiplas ofensivas desencadeadas pelas tropas alemãs e pelos combatentes fascistas da "República de Saló", diante das quais não tiveram ação militar alguma os exércitos aliados, o governo de Bonomi [35] e os partidos antifascistas do centro e do sul do país, toda a defesa permaneceu nas mãos do exército guerrilheiro e da classe trabalhadora combativa do norte, "demonstrando que eles não eram apenas o ’poder legal’, mas o ’poder real’ da Itália industrial". [36]

Uma ordem emitida por Kesselring, comandante-chefe alemão da frente italiana, nos dá uma amostra dessa situação: “a atividade dos guerrilheiros continua aumentando. Agora eles operam em regiões até então livres de sua presença. Os atos de sabotagem são mais frequentes todos os dias e nossos transportes encontram cada vez mais obstáculos. Esta praga deve desaparecer totalmente. Além disso, os grupos guerrilheiros contam com um excelente serviço de informações e o apoio da população que lhes informa de nossos movimentos e preparativos de nossas tropas. Como primeiro passo, ordeno a realização de uma semana anti-guerrilha (…) [que] demonstrará aos grupos qual é o nosso poder e a repressão será implacável ”. [37] Assim, a guerra civil em curso na Itália estava se aprofundando tanto na agudização da ofensiva alemã quanto na tática de paralisia aplicada pelos aliados e pelo governo italiano, acentuando as ações independentes das massas que se consolidaram o duplo-poder.

As massas conquistam sua liberdade no norte

Pegamos Traverso quando ele afirma que a guerra civil surge precisamente do colapso do monopólio da violência dentro de um Estado, o que permite o surgimento de uma situação em que não são Estados que estão lutando, mas grupos dentro do mesmo Estado. No caso italiano, os “grupos”, longe do que tentaram impor, eram forças sociais de classe que expressavam interesses antagônicos, e esse caráter foi mantido apesar da política de unidade nacional promovida pelos partidos antifascistas.

De fato, quando em meados de abril de 1945, uma vez que a Alemanha foi praticamente derrotada militarmente, os aliados começaram a ofensiva na chamada linha gótica [38], um produto do grande alcance que as ações das massas já haviam adquirido. Essa ofensiva foi precedida por uma insurreição generalizada que, combinando luta armada com greves insurrecionais, libertou todas as principais cidades e a maior parte do território do norte antes da chegada das tropas aliadas. Foi assim que Luigi Longo descreveu: "Mais de 300.000 guerrilheiros começaram a lutar ativamente no norte da Itália no início de abril de 1945 e um após o outro libertou Bolonha, Modena, Parma, Piacenza, Gênova, Turim, Milão, Verona, Pádua, e toda a região de Veneza, antes da chegada das tropas aliadas. Os guerrilheiros salvaram as empresas industriais e as comunicações que os alemães estavam se preparando para destruir, fizeram dezenas de milhares de prisioneiros e apreenderam considerável quantidade de armamento. Os guerrilheiros estabeleceram o poder dos Comitês de Libertação Nacional em todos os lugares e executaram os principais líderes do fascismo italiano (...) Por dez dias, até a chegada das tropas e das autoridades aliadas, os comitês de libertação nacional dirigiram no norte da Itália toda a vida política, social e econômica. O serviço policial foi realizado pelas unidades de guerrilha não ocupadas nas operações militares de perseguição e desarmamento das unidades alemãs. ” [39] Da mesma forma, Guido Quazza escreve: "Antes de 25 de abril, por dez dias, as massas populares exercitavam o poder real no norte da Itália, as tropas aliadas ainda estavam longe, e por algum tempo tiveram o apoio entusiastico da maioria da população, do controle das fábricas, de uma grande revolta camponesa em muitas áreas. ” [40]

Como vemos, durante os dias entre a libertação das cidades do norte e a chegada das tropas aliadas, o poder estava nas mãos dos comitês de libertação, que de fato estavam nas mãos da classe trabalhadora e dos setores populares, que eles tinham um exército próprio de não menos que 300.000 combatentes. É por isso que falamos da existência do duplo-poder, onde setores significativos da classe trabalhadora, camponeses e setores populares das cidades e vilas do norte vivenciaram "uma situação de extraordinária independência da classe oficialmente dominante", onde embora estes "ainda não possuíssem o país, eles [de fato] reuniram em suas mãos uma parte considerável do poder do Estado, enquanto o aparato oficial deste último [ainda estava] nas mãos de seus antigos detentores". Nesse ponto, considerando o desenvolvimento do processo social, parece-nos interessante extrair do pensamento de Gramsci a respeito da “análise de situações, relações de forças” a noção do momento político-militar da luta de classes como estágio avançado e decisivo disso, onde as classes exploradas superam sua consciência econômico-corporativa e ascendem ao terreno mais aberto da luta social.

O paradigma histórico que Gramsci apresenta para esse caso é o da opressão militar de um Estado em detrimento de outro, questão que coloca em pauta o problema de qual classe hegemonizará a luta pela libertação nacional. Trotsky, em muitas de suas análises sobre a guerra de libertação nacional, reiterou que se trata de "bolchevismo potencial", no sentido de permitir ao proletariado liderar o restante das classes exploradas e se erguer como sujeito hegemônico, realizando as grandes tarefas históricas colocadas . Consideramos que na Itália foi criado desde o início um elo orgânico entre essa luta e a luta de classes, devido ao papel hegemônico do proletariado, tanto nas cidades quanto nas milícias dos partisans. E esse era precisamente o caráter que a liderança dos Comitês de Libertação Nacional tendia a diluir, dando à luta um caráter patriótico de unidade nacional. É por isso que o próprio Togliatti teve que insistir em várias ocasiões no caráter que a luta armada deveria assumir para o partido. Assim, em sua diretriz sobre a guerra dos partisans de 6 de junho, ele apontou a esse respeito que: “É preciso lembrar sempre que a insurreição que desejamos não se destina a impor transformações sociais e políticas em um sentido socialista e comunista, mas visa a libertação nacional e a destruição do fascismo ". [41]

Apesar desse enorme freio estratégico à revolução, na medida em que a liderança do proletariado não pretendia tomar o poder, mas reconstituir a democracia burguesa, a ação espontânea das massas demonstrou até o último momento o caráter de classe de sua luta. Como Paolo Secchia coloca sobre a insurreição que precedeu a libertação das cidades do norte: “os projetos insurrecionais que o PCI dispunha desde há muito tempo foram aplicados em abril de 1945, mas na maioria dos casos o movimento de massa foi muito mais rápido do que esses planos. Na prática, os partisans apareceram em todos os lugares antes da hora marcada.” [42]

Como afirmado no artigo “A guerra dos partisans na Itália”, isso demonstrou a grande autonomia desfrutada pelas formações, apesar das tentativas de subjugá-las: “ao mesmo tempo, as massas trabalhadoras também agiram. Em 18 de abril, a greve começou em Turim; entre 21 e 23 Modena, Bolonha, Ferrara, Reggio Emilia, La Spezia tiveram insurreições. Entre 23 e 27, Gênova foi liberada e no dia 25, Milão. Em Piemonte, o chamado de insurreição foi projetado para 26 de abril, mas ela foi liberada pelos trabalhadores antes da chegada dos guerrilheiros. É importante observar que em Piemonte, o centro industrial mais importante da Itália, a espera, ou melhor, a passividade do PCI para abrir caminho para uma ação insurrecional, não era causal. As ’hesitações’ correspondiam a tentativas de conter e desviar um levante nas linhas de classe que se desenrolava espontaneamente.” [43]

De fato, como Paolo Secchia coloca, a insurreição geral foi uma política imposta ao PCI pelo próprio estado de espírito e resolução das massas, o que forçou o PCI a assumir a liderança para conter a luta dentro dos limites admissíveis para eles. A dimensão em que os líderes do PCI alertaram para o perigo de as massas saírem de seu controle pode ser resumida nas seguintes palavras do discurso de Togliatti em fevereiro de 1945: “No momento da libertação do Norte, nos encontraremos de frente para a situação mais difícil dos últimos anos. A grande expectativa criada (...) pela nossa propaganda surgirá nas massas. Mas se criará também a psicologia que dirá às massas: é a paz, o esforço de guerra acabou, os sacrifícios também. Todos os problemas econômicos e políticos imediatos serão expostos de maneira mais crítica do que é hoje.” [44]

Talvez a melhor prova do estado de independência alcançado pelas massas seja dada pela política empregada pelos Aliados ao chegar às áreas libertadas: “A administração militar anglo-americana declarou estado de guerra no norte da Itália. Ele aboliu todas as disposições democráticas dos comitês de libertação nacional e removeu do aparato principal aqueles que tinham a confiança do povo, substituindo-os por oficiais reacionários. Eles devolveram aos monopolistas e proprietários de terras a propriedade que havia sido confiscada. Os ocupantes desarmaram os destacamentos de guerrilha e dissolveram o comitê de libertação nacional do norte da Itália". [45] Que o nível de auto-organização alcançado pelas massas do norte da Itália seja sufocado pela ação político-militar dos exércitos aliados é um sinal de seu enorme desenvolvimento, da mesma maneira que o fato de terem sido guerrilheiros e trabalhadores que com suas próprias forças libertaram as cidades do norte dias antes de sua chegada.

Reproduzimos o artigo, em toda sua extensão, publicado originalmente no Blog do Debate do Instituto Karl Marx de Pensamento Socialista.

Notas:

[1] TOYNBE, Arnold, J., La Europa de Hitler, Sarpe, Madrid, 1985, pg. 243.

[2] CLAUDÍN, Fernando, La crisis del movimiento comunista. De la Komintern al Kominform., Ediciones Ruedo Ibérico, Madrid, 1975, pg. 315.

[3] Dirigente do Partido Fascista Nacional, serviu como subsecretário da Chancelaria desde 1932 e foi nomeado embaixador em Londres em 1939.

[4] Ministro das Relações Exteriores da Alemanha nazista de 1938 até 1945

[5] OYNBEE, Arnold, J., Op. Cit. pg. 240.

[6] BERNARD, Henri, Historia de la resistencia europea, Ediciones Martínez Roca, Barcelona, 1970, pg. 48.

[7] “La lucha de clases contra la guerra imperialista. Las luchas obreras en Italia en 1943”, en http://es.internationalism.org/rint75lucha

[8] CLAUDÍN, Fernando, Op. Cit., pg. 315.

[9] “La guerra partisana en Italia”, en http://www.luchadeclases.org.ve/historia-leftmenu-171/5365-la-guerra-partisana-en-italia

[10] CLAUDÍN, Fernando, Op. Cit., pg. 316.

[11] TOYNBEE, Arnold, J., Op. Cit., pg. 241.

[12] Gramsci, Antonio, Notas sobre Maquiavelo, sobre política y sobre el Estado Moderno, Nueva Visión, Buenos Aires, 1997, pg. 124

[13] BERNARD, Henri, Op. Cit, pg. 45.

[14] TRAVERSO, Enzo, A sangre y fuego. De la guerra civil europea (1914-1945), Publicacions de la Universitat de Valencia, Valencia, 2009, pg. 56.

[15] GRAMSCI, Antonio, Op. Cit., p.68.

[16] GRAMSCI, Antonio, Op..cit., pg.75.

[17] Para explicar essa contradição, Trotsky faz uma análise dialética, propondo que, assim como os governos não são uma expressão direta dos povos que dirigem, mas o produto da "luta entre as diferentes classes e as diferentes camadas dentro de uma mesma classe e, além disso, a ação de forças externas, alianças, conflitos, guerras; a direção de uma classe não é um reflexo mecânico dela e, às vezes, pode entrar em conflito com os setores mais avançados dela. Ver: TROTSKY, León, Bolchevismo y estalinismo. Clase, partido y dirección. A propósito del frente único, el Yunque, Buenos Aires, 1975.

[18] “La guerra partisana en Italia”, Op. Cit.

[19] SPRIANO, Paolo, Storia del Partito Comunista Italiano. La fine del fascismo. Dalla riscossa operaia alla lotta armata, tomo IV, Eunadi, Torino, 1973, pg. 87.

[20] TOYNBEE, Arnold, J., Op. Cit, pg. 241.

[21] Ver CLAUDÍN, Fernando, Op. Cit.

[22] VIOLA, Eduardo, “Del fascismo a la revolución frustrada”, AAVV, Historia del movimiento obrero, Centro editor de América Latina, Buenos Aires, pg. 568.

[23] AAVV, Guerra y revolución. Una interpretación alternativa de la Segunda Guerra Mundial, Tomo I, Centro de Investigaciones y Publicaciones León Trotsky, Buenos Aires, 2004, pg. 27.

[24] BROUE, Pierre, “Trotsky y la revolución francesa”, 5 de agosto de 2009, en http://gramscimania.blogspot.com/2009/08/trotsky-y-la-revolucion-francesa.html

[25] Ibíd., pg. 287.

[26] CLAUDÍN, Fernando, Op. Cit., pg. 318.

[27] TOGLIATTI, Palmiro, La política di Salerno. Aprile-dicembre 1944, Editore Riuniti, Roma, 1969, pp 10-11.

[28] CLAUDÍN, Fernando, Op.Cit., pg. 317.

[29] Ibídem., pg. 323

[30] VIOLA, Eduardo, Op. Cit.

[31] BERNARD, Henri, Op. Cit. Pg. 50.

[32] CLAUDÍN, Fernando, Op. Cit., pg. 327.

[33] Ibídem.

[34] BERNARD, Henri, Op. Cit., pg. 50.

[35] O governo de Bonomi sucedeu o de Badoglio quando os Aliados libertaram Roma em junho de 1944.

[36] Ibídem, pg. 228.

[37] BERNARD, Henri, Op. Cit., pg. 50.

[38] Linha defensiva dos alemães nos Apeninos para conter o avanço dos Aliados.

[39] CLAUDÍN, Fernando, Op. Cit., pp. 328-329.

[40] QUAZZA, Guido, Resistencia e storia d’Italia, Riuniti, Roma, pg. 292.

[41] SECCHIA, Paolo, Storia della resistencia, Eunadi, Turín, 1973, pg. 509.

[42] Ibíd., pg. 564.

[43] “La guerra partisana en Italia”, Op. Cit.

[44] SECCHIA, Paolo, Op. Cit, pg. 601.

[45] Citado en CLAUDÍN, Fernando, Op. Cit., pg. 329.

Traduzido de: http://www.laizquierdadiario.com/Cuando-las-masas-italianas-derrotaron-al-fascismo




Tópicos relacionados

fascismo   /    Teoria   /    Internacional

Comentários

Comentar