Internacional

INTERNACIONAL

Putin apresenta novo armamento nuclear com uma mensagem dirigida aos Estados Unidos

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, apresentou o novo armamento nuclear entre os quais destaca o míssil balístico Sarmat que converte em "inútil" o escudo antimísseis dos EUA, segundo afirmou.

quinta-feira 1º de março| Edição do dia

O anúncio foi visto como uma mensagem aos Estados Unidos que, em um documento apresentado pelo Secretário de Defesa no final de janeiro, anunciou novas hipóteses de conflito no próximo período e incluiu a Rússia como uma ameaça. "Antes de termos os novos sistemas de armas, ninguém nos escutou, ouça-nos agora!", disse Putin diante de ambas as casas do Parlamento. Os presentes, a cúpula da política e da sociedade russa, ouviram as explicações do presidente e do comandante supremo das Forças Armadas, acompanhadas de vídeos espetaculares com testes de mísseis. "Ninguém no mundo tem algo assim, por enquanto, é fantástico!" Putin acrescentou sobre o que ele chamou de "resposta à saída unilateral do tratado de defesa antimíssil pelos EUA".

O presidente russo deixou claro em muitas ocasiões que seu país não será empurrado para uma corrida armamentista que drena seus recursos como fez com a União Soviética quando o presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, lançou o programa "Star Wars". Mas isso não impediu o Kremlin nos últimos anos de investir centenas de bilhões para modernizar sua tríade nuclear: mísseis intercontinentais, submarinos atômicos e aviação estratégica.

Depois de criticar o governo dos Estados Unidos pela implantação de seus elementos estratégicos na Polônia e na Romênia, ele assegurou que a Rússia desenvolveu foguetes que "não usam a trajetória balística para atingir seu objetivo", portanto não podem ser detectados pelo escudo dos EUA.

O presidente russo disse que o novo míssil "é uma arma terrível capaz de atingir alvos tanto voando sobre o Pólo Norte quanto o Pólo Sul. Nossos colegas estrangeiros, como você sabem, lhe deram um nome muito ameaçador, Satanás" em alusão ao míssil SS-X-30 Satan-2, de acordo com a classificação da OTAN.

No final da apresentação Putin lembrou que a doutrina militar russa só considera o uso de armas nucleares em resposta a uma agressão externa e enfatizou que "o poder militar da Rússia não ameaça ninguém" e que seu arsenal estratégico é uma "segurança para a garantia de paz no planeta", uma vez que mantém o equilíbrio de forças.

Para esse esclarecimento, ele acrescentou que "Nós não ameaçamos ninguém e não pretendemos atacar ninguém (...) Estamos interessados em uma cooperação construtiva com os EUA e a União Européia, mesmo que nossas posições não coincidam, ainda seremos parceiros ", deixando claro que a Rússia, uma das potências nucleares, não contempla ser o único a atacar o conselho do atual pedido internacional.

A referência constante a que o novo míssil russo é capaz de violar as defesas dos EUA que Putin fez aparece como uma mensagem para a nova estratégia de segurança nacional apresentada pelo Pentágono e aprovada pelo presidente Donald Trump.

PODE TE INTERESSAR Estados Unidos passa de “guerra contra o terrorismo” para se preparar para um conflito entre potências

Esta nova doutrina orienta a estratégia dos EUA para o que o Pentágono definiu como uma tarefa preparatória, não imediata, para passar da "guerra contra o terrorismo", uma guerra por definição assimétrica com atores não estatais ou semi-estatais (como o Talibã ou o regime decadente de Saddam Hussein), a confrontos entre estados e poderes internacionais.

O documento que marca essas novas hipóteses de conflito define três teatros de conflitos: o "Indo-Pacífico" (China); Europa (Rússia) e Oriente Médio (Irã), onde os recursos serão supostamente concentrados. África e América do Sul mal merecem uma menção secundária. Como parte desta mudança na estratégia militar dos EUA, o presidente Trump anunciou a modernização do arsenal nuclear. Por essa razão, obteve aprovação do Congresso de um aumento muito significativo para o orçamento militar - todo um aceno para a ala militar da administração Trump - este pacto enfrentou a rejeição de republicanos mais conservadores em assuntos fiscais. Embora o horizonte do "conflito entre poderes" não seja imediato, o militarismo e as tendências para o bonapartismo mostram que, em tempos convulsivos, as classes dominantes não hesitarão em recorrer a "soluções de força".




Tópicos relacionados

Estados Unidos   /    Rússia   /    Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar