Internacional

INTERNACIONAL

Protestos no Irã contra o governo por causa do aumento de combustíveis

Nesta sexta-feira, 15 de novembro, o Alto Conselho Coordenação Econômica do Irã anunciou o racionamento dos combustíveis aumentando o preço em até 300%. A resposta da população foi inundar as ruas com um protesto generalizado. A brutal repressão matou mais de 20 pessoas, deixou milhares de feridos e detidos.

terça-feira 19 de novembro de 2019| Edição do dia

Milhares foram às ruas por três dias em mobilizações espalhadas por todo o país. Na sexta-feira, o governo aumentou inesperadamente em 50% o preço do combustível para os primeiros 60 litros, que pode ser comprado com um cartão de racionamento, de modo que o litro passa de 10.000 rials para 15.000 rials (13 centavos). Quem exceder esse valor deve pagar cerca de 30.000 rials (26 centavos), cujo aumento acaba sendo de 300% no total. Embora seja o preço mais barato do planeta, a situação econômica é insustentável para os iranianos.

Rebelião Persa

Os protestos começaram no Irã nesta sexta-feira, com dezenas de milhares de manifestantes. Alguns meios de comunicação, como Farsnews, estimaram em 100.000 pessoas em todo o país. Os motoristas pararam seus carros no meio das principais rodovias para protestar contra o anúncio, bloqueando as principais vias das cidades.

Três cidades começaram os protestos: Shiraz, Bandar Abbas e Ahwaz. A brutal repressão que deixou três mortos e centenas de feridos nas primeiras horas causou indignação a centenas de milhares, espalhando raiva ao resto do país, chegando à capital Teerã e outras cidades importantes como Tebriz, Isfahan, Mashhad religioso, e várias cidades com um grande componente de trabalhadores.

Em princípio, os protestos eram contra o aumento de combustível, a precariedade da vida que é imposta pelo bloqueio econômico dos EUA. UU. desde 2018 e a inflação que chega a quase 50%. Mas rapidamente as reivindicações econômicas se tornaram demandas políticas, uma característica transversal de todos os movimentos de protesto que o planeta passa atualmente.

As mobilizações, de natureza policlassista, levantaram diversas demandas, incluindo algumas que chegaram a reivindicar o ditador Sha Reza Pahlevi, que caiu com a revolução iraniana de 1979. Em muitas das manifestações, foram ouvidas palavras de ordem pela queda do regime e pela renúncia do aiatolá Khamenei. Também se levantaram questionamentos sobre a intervenção do Irã em outros países da região, enquanto o país está passando por uma profunda crise econômica.

Nas redes sociais, viralizaram os panfletos que pediam aos iranianos que criassem bloqueios nas ruas principais parando os carros. Um vídeo mostra um motorista de caminhão em Teerã carregando pedras, jogando a carga em uma rota de três faixas, que estavam lá comemorando este evento. Em Shiraz e Isfahan, os motoristas de ônibus escolar anunciaram uma greve, que mantém suspensas as aulas.

Os combates contra a polícia se estenderam, carros da polícia e ônibus foram incendiados, bancos foram assaltados e até destruídos, uma expressão de ódio contra o regime de Aiatolás. Pelo menos 20 foram mortos pela repressão e, segundo a imprensa iraniana, mais de 1.000 detidos.

Embora o protesto tenha sido caracterizado por ser espontâneo e convocado pelas redes sociais, os trabalhadores de Haft-Tapeh e do Bazar de Teerã estão em greve, também os estudantes da Universidade do Curdistão e da Universidade de Tabriz se uniram, dando um caráter organizacional. Por esse motivo, a ONG Netblocks denunciou que o governo iraniano cortou os serviços de Internet e telefonia móvel para isolar a população, uma ação que gerou ainda mais revolta.

Crise política e econômica

O regime iraniano enfrenta uma crise econômica que se aprofunda com as sanções impostas por Donald Trump em sua estratégia de afogamento econômico para os aiatolás abandonarem seu plano nuclear. Essas sanções arrastaram o país para um déficit de dois terços do orçamento anual de 45 bilhões de dólares. Segundo o FMI, a economia iraniana contrairá 9,5% este ano. A inflação só aumenta enquanto milhares entram na pobreza a cada ano. Para manter a passividade das massas, o regime tem um plano de assistência social por meio de subsídios, incluindo o combustível que é um dos mais baratos do planeta.

O argumento do presidente Rouhani é que, para evitar a fome de 60 milhões de iranianos (três quartos da população), é necessário mover o subsídio para poder manter os "planos sociais". Um argumento irrisório para qualquer iraniano, já que a desconfiança no governo é generalizada. Na mesma linha, o líder supremo Khamenei apoiou a medida de aumento afirmando que ela é irreversível, enquanto condenava os "violentos" que saíram às ruas.

O Irã acaba de descobrir um dos campos de petróleo mais importantes nos últimos anos, que soma 56 bilhões de barris a suas reservas. Apesar do achado, o Alto Conselho Superior da Economia - composto pelo Presidente do país, pelo Chefe do Judiciário e pelo Presidente do Parlamento - decidiu tomar a medida que afetará os preços de todos os produtos no mercado, incluindo trabalhadores que viajam todos os dias de transporte público.

Alguns dias atrás, foi anunciado que o Irã enriquecerá o urânio em 10 vezes, o que novamente quebra as restrições do Acordo Nuclear. Isso gera maiores tensões com os Estado Unidos, União Europeia e seus aliados regionais, como Arábia Saudita e Israel. O objetivo do regime é pressionar a UE para que haja progresso nos EUA no sentido de retornar ao acordo nuclear para reverter o bloqueio econômico imposto em 2018, quando as tensões militares começaram.

A medida de aumento foi criticada pelos setores da oposição, e vários clérigos xiitas saíram para pedir que o aumento fosse revertido para evitar mais enfrentamentos. Até o próprio presidente Hassan Rouhani se opôs à medida proposta por um conselho de técnicos, afirmando que isso lhe custaria grandes perdas para as próximas eleições parlamentares. Vários economistas iranianos também argumentaram que o aumento não é significativo para fornecer um impulso financeiro aos cofres do Estado, já que está estimado em $800 milhões de dólares por ano.

O Irã Despertou

Ainda que as manifestações no Irã não sejam frequentes, muito menos aquelas que contêm consignas políticas, desde 2017 elas vêm se intensificando com fortes exigências que apontam para o regime político islâmico estabelecido logo após a Revolução de 1979.

As revoltas no Iraque e no Líbano, onde o regime xiita exerce grande influência sobre seus governos, enfrentam uma verdadeira dor de cabeça. Particularmente no Iraque, onde manifestantes combatem abertamente a estratégia internacional iraniana com bloqueios a portos como Umm Qasr, refinarias como Dimaniyah, o acesso à terra na província de Maysan e o centro estratégico de petróleo de Bazirgan.

Era questão de tempo até que as massas libanesas e iraquianas influenciassem os iranianos. Em um contexto de luta de classes a nível mundial, com tensões sistemáticas que afogam a população iraniana, a República Islâmica está sendo abalada novamente por uma luta difícil de conter pelos meios tradicionais. Após guerras reacionárias no Oriente Médio, os protestos que superam o sectarismo religioso contra os regimes não mostram sinais de desaceleração, ao contrário, passaram a reforçar suas demandas.




Tópicos relacionados

Irã   /    Internacional

Comentários

Comentar