Internacional

CORONAVÍRUS | COLOMBIA

Protestos na Colômbia: Duque decreta quarentena sem realizar medidas sociais

Milhares de pessoas foram às ruas das cidades colombianas nesta terça-feira, apesar de em muitas delas ser proibido às vésperas do início da quarentena de 19 dias que o governo Duque decreta por causa do Covid-19. Também há protestos na população prisional. O governo decretou a quarentena, mas sem nenhuma medida, para que os grandes setores populares pudessem se abastecer.

quarta-feira 25 de março| Edição do dia

Em várias partes do país, saques e protestos de trabalhadores, a maioria deles do setor informal, exigiram ajuda para enfrentar a pandemia. Os protestos ocorreram especialmente nos setores mais pobres, onde a comunidade sente que não tem garantias de passar o período de isolamento em casa, conforme exigido pelas autoridades.

Segundo dados do Ministério da Saúde, na Colômbia existem 306 pessoas infectadas, três mortas e seis recuperadas. O governo de Duque decretou a quarentena, mas sem nenhuma medida de emergência para grandes setores da população que dependem de seus trabalhos diários, especialmente informais e autônomos.

Até a prefeita de Bogotá garantiu que "em quase todas as grandes cidades hoje existem concentrações exigindo do governo nacional uma renda básica para famílias pobres sem as quais elas não serão capazes de cumprir" a quarentena.

O quadro da Colômbia é dramático, com milhões de trabalhadores com contratos precários, sem registro e informais, que, se não vão trabalhar, não têm renda. A Colômbia tem uma população de 49,07 milhões, de acordo com os dados mais recentes do Banco Mundial para 2017, desse total, 22,4 atendem aos requisitos para trabalhar. No entanto, apenas 7 milhões deles têm um emprego formal e pelo menos dois alimentam as taxas de desemprego.

E, pior ainda, de acordo com o Departamento Administrativo Nacional de Estatística (DANE), em agosto a informalidade do trabalho atingiu 62%, as taxas são ainda mais dramáticas no campo em que o número é de 84%. Em outras palavras, pelo menos 14 milhões de pessoas correm o risco de morrer de fome porque não têm suprimento. Esta é a imagem de fundo dos protestos que se espalharam no país após as medidas de quarentena do governo.

É em Bogotá, Cali, Medellín e em muitas outras cidades do interior do país onde os protestos se espalham. Centenas de pessoas, incluindo imigrantes venezuelanos desempregados e trabalhadores informais, vieram à Plaza de Bolívar em Bogotá, o centro do poder político da Colômbia, para pedir uma ajuda à prefeita que lhes permitam sobreviver durante os dias da quarentena. "Estamos com fome, estamos com fome", entoavam trabalhadores informais exigindo do governo medidas substantivas que lhes permitam completar o período de confinamento.

Na concentração, manifestantes se reuniram em torno da estátua do Libertador Simón Bolívar e houve confrontos com a polícia. Os trabalhadores foram respondidos com repressão. "Dependemos de trabalho diário para cobrir nossas necessidades. Nós acatamos as regras, mas não temos recursos para lidar com a quarentena (precisamos de comida)" lia-se nas placas dos manifestantes.

Se isso acontecia no centro de Bogotá, na direção ao sul da cidade, a tensão era maior, como se refletia em vários vídeos que percorriam as redes sociais. "A crise do Covid-19 exacerbou a evidente desigualdade social de nossa cidade e país. Em San Cristóbal, eles enviam a ESMAD para aqueles que pedem ajuda. A fome também mata! (grifo nosso)", lia-se em um twitte de uma vereadora de Bogotá, Heidy Sánchez Barrerto.

Embora os primeiros atos de protestos tenham ocorrido no centro do país, as manifestações solicitando medidas substantivas ocorreram em todo o território colombiano, mas foram reprimidas com a Polícia e a ESMAD. De lgumas estações do metrô de Medellín (noroeste do país) chegaram dezenas de pessoas no Centro Administrativo de La Alpujarra, acreditando que a prefeitura iria distribuir ajuda. O que era falso. Situações semelhantes ocorreram em Cali e na região das planícies, como em Meta e Guaviare, devido às medidas de isolamento. Mas não houve nenhuma contrapartida de proteção econômica ou suplementos sociais.

Também ocorreram protestos na população prisional. E aí a mão pesada da repressão foi acionada. Existem tumultos, incêndios, confrontos e até tiroteios em diferentes prisões do país, onde existem 123 mil presos, segundo dados oficiais. Estima-se que a superlotação exceda 53%, pois na Colômbia o sistema penitenciário possui apenas aproximadamente 80.373 vagas. Assim, nas prisões de Bogotá, Jamundí, Cómbita (Boyacá) e Ibagué foram feitos protestos sobre as "medidas" tomadas para lidar com a crise do corona vírus.

Os tumultos nas prisões, as tentativas de fuga e outras formas de protesto ocorreram em rejeição às políticas e ações que o Inpec (Instituto Nacional Penitenciário e Prisional) e as entidades governamentais nos centros penitenciários do país para enfrentar a pandemia do corona vírus. “Eles nos mantêm abandonados como cães. Não somos nada(sic.) para eles”. Essas são as vozes de protestos de dentro das prisões que são transmitidas através de vídeos. Pelo menos 23 prisioneiros morreram e 83 ficaram feridos na prisão de La Modelo, em Bogotá, no domingo.

É mais do que sabido que a população carcerária é uma das mais vulneráveis ao Covid-19 em todo o mundo, devido às condições de superlotação e precariedade que toda ela se encontra. O governo de Duque nem mesmo segue imediatamente pelo menos as recomendações básicas da OMS, para libertar todos os acusados de crimes menores, condenações por expiração, condições médicas e velhice, mediante libertação temporária ou prisão domiciliar. Pior ainda, ele joga na cadeia as pessoas que saem para protestar, como visto nos protestos anteriores, e recentemente nos protestos de terça-feira. Deve ser decretada imediatamente a liberdade de todos os que foram preso por protestar e lutar!

As alegações de que o governo tem respondido com medidas a favor dos empresários, enquanto os pobres dificilmente são condenados à quarentena sem nenhum tipo de medida efetiva, apenas os fazem esperar. É que os protestos nas ruas que foram vividos na Colômbia também se intensificaram através das redes sociais, denunciando também a ação fria sem piedade da polícia.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Colombia   /    Saúde   /    Internacional

Comentários

Comentar