Internacional

EUROPA

Protestos e repressão na França enquanto a reforma da previdência chega ao Parlamento

Milhares de pessoas, muitas delas coletes amarelos, manifestaram-se na segunda-feira do lado de fora da Assembleia Nacional contra o início do tratamento parlamentar da repudiada reforma previdenciária.

terça-feira 18 de fevereiro| Edição do dia

A rechaçada reforma previdenciária, promovida pelo presidente da França, Emmanuel Macron, chegou ao Parlamento na segunda-feira após dois meses de greves e se tornou uma das questões que fagocita a política do país.

Milhares de manifestantes, incluindo grevistas, estudantes e, sobretudo, coletes amarelos se mobilizaram da Opéra Garnier à Assembleia Nacional para repudiar o tratamento parlamentar da odiada reforma.

A proposta, com a qual o Executivo pretende liquidar 41 regimes especiais, aumentar a idade da aposentadoria e baixar as aposentadorias, vem após nove jornadas de manifestações contra ele desde o último dia 5 de dezembro e, às vésperas da décima, convocada para a próxima quinta-feira, sintoma da oposição que desperta entre os sindicatos. No entanto, os sindicatos não chamaram uma greve ou mobilização conjunta e geral para esta segunda-feira.

Se as greves de dezembro conseguiram paralisar parcialmente o país devido ao amplo alcance nos transportes públicos, especialmente os de Paris, o movimento estava perdendo força à medida que os sindicatos mais colaboracionista se prestavam à manobra do governo de levar a luta a uma mesa de negociações que nunca resolveu nada em favor dos trabalhadores.

É por isso que a atmosfera entre os manifestantes e, em particular, entre os grevistas na segunda-feira afirmou claramente que greves parciais não são suficientes para acabar com a reforma das aposentadorias e que é necessário um plano de luta real e uma greve por tempo indeterminado de todos os setores.

Entre as faixas visíveis estavam a do Front Social, e também as bandeiras Solidaires RATP (trabalhadores metropolitanos de transporte público em Paris), ferroviários da CGT e Force Ouvriere, e estudantes de Paris 7, Nanterre, EHESS e a École du Louvre.

Quando chegaram às proximidades da Assembléia Nacional, a polícia chegou para reforçar os gendarmes presentes e reprimir os manifestantes, além de realizar uma operação de perseguição para prender vários deles.

Nos dias anteriores, os trabalhadores da base de transporte da RATP foram os que demonstraram sua determinação novamente, fazendo com que várias direções sindicais do setor convocassem uma greve total para esta segunda-feira, além da jornada que já estava convocada para quinta-feira, 20. São sinais de que, na base, a determinação de combater a reforma previdenciária permanece muito presente. No entanto, ao mesmo tempo, a liderança da CGT disse que a "data simbólica da agenda parlamentar [segunda-feira] não é propícia à expansão de lutas e greves em outros setores do país". Em outras palavras, ele se recusou a paralisar o serviço nesta segunda-feira. No entanto, algumas das seções do CGT-RATP se uniram ao chamado e pararam linhas de metrô como 7 e 7bis, o Centro de Manutenção de Red Ferré (MRF) em Saint Ouen ou até o centro de ônibus Pleyel, onde trabalhadores afiliados à CGT, UNSA e Solidaires solicitaram lotes de mobilização segunda e quinta-feira.

Embora a dispersão das datas de protesto e a ausência de um plano real de luta tenham impedido os trabalhadores de dobrar Macron e sua reforma previdenciária, por outro lado, há sinais de unidade por baixo em um número significativo de setores exigirem uma greve interprofissional renovável, numa época em que o governo ainda está envolvido em uma crise política que nunca termina.




Tópicos relacionados

Greve   /    Repressão   /    Internacional

Comentários

Comentar