Educação

PROFESSORES MUNICIPAIS SP

Propostas para a luta dos professores municipais avançar e vencer Doria

Neste momento em que a greve chega a quase 100% de adesão nas escolas, é preciso ir pra cima de Doria, que depois de cortar os ônibus, o leito, as peruas, está abandonando a prefeitura como tinha prometido não fazer para se candidatar a Governador. O rechaço está sendo grande, é o momento de chamarmos todos à luta para derrotá-lo.

domingo 18 de março| Edição do dia

Sob bombas e cacetadas, os professores e servidores públicos deram ontem um grande exemplo de resistência e disposição de ir até o final nessa batalha, e junto a centenas de colegas aposentados deram um grande exemplo de força e radicalidade, mantendo a manifestação até o final, assim como o acampamento, que continua na Câmara. Doria e os golpistas sabem que essa greve está forte, daí a pressa e, consequentemente, a brutal repressão que presenciamos para aprovar o texto do SAMPAPREV, ao mesmo tempo que noticiaram uma proposta de reformulação no PL, estabilizando a contribuição previdenciária em 14% para quem recebe até o teto do INSS e aposentados. Como se fossemos aceitar um ataque em parcelas. Não, queremos a retirada completa do SAMPAPREV. Neste momento em que a greve chega a quase 100% de adesão nas escolas, é preciso ir pra cima de Doria! Que depois de cortar os ônibus, o leito, as peruas, está abandonando a prefeitura como tinha prometido não fazer para se candidatar a Governador. O rechaço está sendo grande, é o momento de chamarmos todos à luta para derrotá-lo.

É HORA DE EXPRESSAR UMA GRANDE UNIÃO

O SINPEEM é filiado à CUT e precisa urgentemente fazer uma exigência a que os demais sindicatos do funcionalismo municipal entrem na greve para sermos uma só força contra a reforma da previdência de Doria. Mas sabemos que esse ataque não vem só para o funcionalismo: ele é parte do jogo dos golpistas para avançar na retirada de direitos de todos os trabalhadores, para que sejamos nós os trabalhadores, a pagar as contas da crise capitalista. Por isso chamamos a CSP Conlutas, a Intersindical e todos os partidos de esquerda a colocar de pé uma forte campanha de solidariedade, e que as grandes centrais como a CUT e a CTB, que diziam que iam parar o país contra qualquer reforma da Previdência, agora coloquem toda sua força em um apoio ativo em todas as categorias que estão na direção sindical, mostrando para o Doria que não estamos sozinhos e que vamos derrotá-lo. Se vencemos, vamos mostrar o caminho pra todos trabalhadores de como barrar as reformas e a continuidade do golpe institucional.

Todos os parlamentares da esquerda que nos apoiam podem também chamar seus eleitores e a população para somar nas nossas assembleias e manifestações. Fortalecer a greve é também a melhor maneira de impossibilitar possíveis manobras de Claudio Fonseca e toda burocracia do SINPEEM, pois não aceitaremos qualquer tentativa de nos convencer a aceitar “reformulações” do PL ou negociar outros pontos de reivindicação da greve.

PRECISAMOS QUE OS RUMOS DA GREVE ESTEJAM EM NOSSAS MÃOS

Para garantir vamos sair ganhando precisamos de fato decidir os rumos, por isso achamos fundamental manter e ampliar os comandos regionais, e avançar para um comando central que reúna representantes eleitos de todos os comandos regionais, que seja organizado pelos próprios representantes, não só pelo Claudio Fonseca. A mais ampla democracia nesse momento é o que vai garantir nossa vitória. Todos os passos da greve devem ser debatidos nesse comando, com os professores sendo os verdadeiros dirigentes dessa luta histórica. Também é preciso eleger daí uma comissão de professores para estar em qualquer possível negociação. Não podemos aceitar a menor possibilidade que algo seja negociado pelas nossas costas. Todos sabemos que Claudio é da base aliada de Dória na Câmara, nossa confiança tem que ser em nós e em nossos colegas que estão dia a dia conosco enfrentando a rotina dura das escolas.




Tópicos relacionados

Sampaprev   /    Professores São Paulo   /    João Doria   /    Reforma da Previdência   /    Greve   /    Privatização   /    Greve professores SP   /    Educação   /    Professores   /    São Paulo (capital)   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar