Sociedade

PRECARIZAÇÃO DA SAÚDE

Pronto-Socorro do Hospital Santa Marcelina é interditado em São Paulo

terça-feira 5 de dezembro| Edição do dia

O Pronto-Socorro do Hospital Santa Marcelina, localizado na Zona leste de São Paulo, foi interditado pela vigilância sanitária desde quinta-feira passada, dia 30, e está com o atendimento parcialmente suspenso.

A Secretaria Estadual de Saúde, responsável pela vigilância sanitária, informou que a medida se deve à superlotação do pronto-socorro, à falta de profissionais para o atendimento e também à irregularidades estruturais como falta de ventilação.

Segundo o Hospital Santa Marcelina o pronto-socorro clínico tem 20 leitos, mas atende cerca de 50 pacientes. Já o pronto-socorro cirúrgico tem 14 leitos mas atende cerca de 40 pessoas. Informam também que são 24 mil atendimentos por mês, sendo 87% dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Devido à interdição feita pela Vigilância Sanitária, o hospital atenderá apenas casos de extrema urgência. O Hospital Santa Marcelina tem até a próxima segunda-feira, dia 11, para apresentar uma proposta de adequação dos setores e seu respectivo tempo de execução, que será avaliada tecnicamente pela Vigilância Sanitária do Estado.

Ao contrário de maiores investimentos que são extremamente necessários na saúde pública, como mostra o caso de superlotação do Santa Marcelina, o horizonte é de corte de orçamento, atingindo em cheio as pastas de saúde. O próprio ministro da Saúde, Ricardo Barros, amigo dos empresários da saúde, diz estar discutindo em sua pasta uma elaboração de planos de saúde "acessíveis", o que significaria acabar de vez com o SUS e a saúde pública no país.




Tópicos relacionados

precarização   /    Sociedade   /    Saúde   /    São Paulo (capital)

Comentários

Comentar