ESCOLA SEM PARTIDO

Projeto Escola sem Partido volta como pauta na câmara de Campinas

Depois de 9 meses parado, o projeto Escola sem Partido do vereador Tenente Santini e Campos filho volta nesta quarta-feira para ser votado na Câmara Municipal de Campinas.

quinta-feira 20 de setembro| Edição do dia

Projeto proposto pelo entusiasta pró-Bolsonaro, Tenente Santini, o projeto Escola sem partido que proíbe debates de gênero e sexualidade nas escolas, além de proibir que professores e alunos discutam política nas salas de aula, volta para a tramitação depois de 9 meses.

Além de Tenente Santini, o projeto foi apoiado por outros reacionários como Campos Filho que na seção declarou que “Simone de Bauvoir era uma devassa” e outras coisas como “homem é homem e mulher é mulher”. Votaram pelo projeto em primeira instância partidos como PMDB, PSDB, DEM, PSB e PL. Todos esses partidos tem em suas mãos o sangue de milhares de LGBT’s e também de mulheres mortos todos os dias, em crescentes casos de lgbtfobia e feminicídio.

Colocando uma verdadeira mordaça na boca de professores e alunos, o projeto foi barrado após intensa manifestação de professores e estudantes na câmara de Campinas.

Voltará para ser discutido na Câmara de Campinas na próxima quarta-feira (03), proposto pelo próprio Tenente Santini. Esse vereador é um dos mais reacionários de Campinas, em seus vídeos declara apoio à Bolsonaro e fala em reforçar a bancada da Bala no congresso nacional.

O movimento de mulheres contra o Bolsonaro, com atos por todo o país no dia 29, mostram que precisamos nos mobilizar para derrotar o golpismo e a extrema direita. Tenente Santini destila ódio, mas também tem medo das milhares de mulheres, LGBT’s e professores que mostraram sua força na primeira votação do projeto.




Tópicos relacionados

Campinas   /    Eleições 2018   /    Bolsonaro   /    Escola sem partido

Comentários

Comentar