REACIONARISMO

Programa para educação de Bolsonaro enxerga Charles Darwin e Evolução como "doutrinação"

Em entrevista ao Estado, o futuro ministro de um eventual governo de Jair Bolsonaro mostra as caras quanto ao plano de educação: defender a memória de seus compadres de Ditadura militar e retroceder infinitamente no debate da ciência, enquadrando a Teoria da Evolução de Darwin e o pensamento científico como "doutrinação ideológica".

segunda-feira 15 de outubro| Edição do dia

Aléssio Ribeiro Souto, general das Forças Armadas escolhido para ser ministro da Educação de Jair Bolsonaro (PSL) foi entrevistado pelo Estadão, deixando passar absurdos grotescos, mostrando que o plano de educação que irá implementar Bolsonaro é um verdadeiro retrocesso e tentativa de limpar a imagem da Ditadura e reforçar o domínio das concepções das igreja nas escolas.

Oposto ao que se chama de educação emancipadora, o ministro de Bolsonaro deixa claro seu recado na entrevista: Darwin que se cuide. Ao ser questionado sobre mudanças nas bases curriculares, Aléssio diz que atualmente a escola está à serviço da “doutrinação”, um discurso reacionário e sem qualquer fundamento real utilizado por Bolsonaro e pela extrema-direita.

Aléssio sai em defesa de uma “soberania” dos pais dezenas de vezes, deixando claro a incapacidade de entender a educação como uma tarefa central dos educadores e como um instrumento emancipador do indivíduo. É incansável a quantidade de vezes que a direita retoma de maneira ignorante o debate sobre a ideologia de gênero, em nome da “moral e ética”, sem entender que é na escola o espaço para que os alunos desenvolvam senso crítico e sejam capazes de se tornarem sujeitos capazes de refletir a realidade.

Como se não fosse o bastante esse “disco riscado” sobre o importante debate de gênero nas escolas, questionado sobre a possibilidade de um pai pedir que fosse ensinado o Criacionismo, Aléssio disse não ver problema, por fazer “parte da história” e que deveria ser citado em pé de igualdade com a Teoria da Evolução de Charles Darwin.

O criacionismo é um dogma religioso, sem nenhum argumento ou base científica utilizado nas igrejas e espaços religiosos por pregadores desta religião. Assim como qualquer outro dogma que venha acreditar um indivíduo de outra religião, não deve estar presente na base curricular, igualada à teorias científicas, sendo totalmente de cunho individual.

A base curricular atual exclui o Criacionismo, que é o surgimento da Terra, da vida e da humanidade a partir da criação de Deus, uma vez que o Estado que em teoria é laico, deve garantir a total separação da igreja e dos demais assuntos de interesse coletivo, garantindo que nada seja guiado a partir de uma só religião.

Veja também: Padre apoia Bolsonaro em missa atacando mulheres e LGBTs: "o único cristão que temos aí"

“Houve Darwin? Houve, temos de conhecê-lo. Não é para concordar, tem de saber que existiu”, disse Aléssio num ato completamente absurdo equipara a mais importante teoria sobre o surgimento das espécies publicada a 159 anos, que revolucionou a ciência, com o criacionismo, que se quer é considerado uma teoria.

Em tempos de defensores da “ Terra Plana”, a tentativa de praticamente negar a Teoria da evolução das espécies feita por Aléssio demonstra o tamanho do retrocesso que significa um governo reacionário e profundamente ligado às igrejas e dogmas religiosos. É preciso lutar contra Bolsonaro e sua trupe de milicos reacionários, contra o avanço da extrema-direita, do golpismo e do judiciário, para garantir a separação efetiva do Estado e da Igreja, contra a imposição de tamanho retrocesso na educação, na ciência e nas demandas democráticas histórica de mulheres, negros, e LGBTs.




Tópicos relacionados

Charles Darwin   /    Bolsonaro

Comentários

Comentar